UM ARGONAUTA POR SEMANA – Margarida Ruivaco

Imagem1Margarida Manuela Pinho Fernandes Ruivaco,  nasceu em Março de 1975 na Nazaré. «Acidentalmente», pois considera-se natural de Maceira, Leiria. Engenheira civil licenciada pelo Instituto Superior Técnico, possui uma microempresa de Engenharia e, esporadicamente, dá aulas num Instituto Politécnico. Sobre si mesma e sobre a sua escrita, diz: «Adoro ler, e gosto muito de escrever, embora tenha um pouco de vergonha que familiares e amigos leiam o que escrevo, no que diz respeito a escrita criativa, porque diz muito de mim. No entanto, sou bastante activa nas redes sociais, muito opinativa e até um pouco mordaz. » (…) «Mantenho um blog, que não publicito, onde comecei a publicar as minhas estórias e outras coisas de mim. Permite-me escrever longe do escrutínio dos que me estão próximos. Permite-me continuar a escrever sem adoptar o novo acordo ortográfico».

No concurso de Blogocontos que organizámos, foi distinguida com um segundo lugar. Sobre a sua maneira de escrever o nosso júri opinou: «o conto aborda o tema da contraposição cidade/campo, sendo este último o objecto do sonho da voz narrante que deixa perceber, ao nível do desejo, «o início das manhãs que hão-de vir». Numa linguagem essencial e particularmente substantiva, o percurso onírico faz-se do imaginário de uma transposição da cidade para o campo, permeado, porém, por sinais de modernidade». Poemas que publicou no nosso blogue, ilustrados por Dorindo Carvalho, foram integrados na “V Antologia de Poetas Lusófonos”.

Manhã Cedo

Ainda o despertador não tocara, e já ela estava na rua.

A madrugada fresca de um Outono quente era a melhor maneira de começar o dia.

O cheiro da terra húmida de orvalho entrou nela, respirou fundo, suspirou, e saiu pela porta da cozinha.

No canteiro em frente, a salsa, os coentros, cebolinho e tomilho. Arrancou algumas folhas mortas. Sacudiu algumas folhas caídas do carvalho.

Quercus faginea. Alto, velho, magro, tronco torto e enfezado, com meia dúzia de bolotas. Lindo! Ao lado de castanheiros, carregados de ouriços.

Passou a garagem, pegou na mangueira e regou uns tomateiros retardados, que jamais viriam a dar fruto, só pelo sim, pelo não.

As folhas caídas dos choupos, húmidas, não restolharam sob os passos.

Não era altura de ter muita coisa.

As poucas uvas tinham sido apanhadas e comidas, porque ainda não arranjara coragem de aprender a fazer vinho, vinho que jamais iria sequer tentar provar.

Do milho, sobravam os canoucos na terra.

“ Dava-me jeito uma vaca”.

As maçarocas secavam, à espera de um dia que tivesse tempo para as descamisar.

“Dava mesmo jeito uma vaca. Comia os canoucos, comia as camisas, depois era lavrar.

Vaca não, depois que é que lhe fazia? Quem é que ia limpar tanto estrume, tirar leite todos os dias? Vaca não, cabras. Comiam as silvas .”

Presas, para não comerem tudo.

As abóboras estavam no ponto. Menina e gila. Não sabia como lá foram parar, era para serem só courgetes, que tratara de apanhar antes de serem uns monstros de casca dura.

Pensou em doce.

“Um dia destes, calha. Ficam já para prenda do Natal!.

À espera, os canteiros para as batatas, cebolas, batata doce. Daqui a uns dias as couves e os brócolos estarão mesmo a jeito.

Os marmelos vêm aí.

Acabaram-se os feijões e as alfaces e os morangos. Acabaram-se as pêras-rocha e as maçãs Jonagold, red delicious, golden, starking.

Já não há figos, pingo de mel, para colher todos os dias de manhã.

O damasqueiro, o pessegueiros, e as ameixoeiras estão enganadas com o tempo, e florescem como se estivessem a chegar ao Verão outra vez. Pode ser que a cerejeira acorde, e dê o que não deu em Maio…

O programador da rega estava ligado.” Óptimo, já sabes o que tens a fazer.”

Um arrepio , toca a mexer.

Deixou milho nas galinhas, granulado no coelhos, o porquito ainda dormia.

Voltou para dentro. Voltou a sair. Apanhou roupa, no estendal abrigado, estendeu mais roupa.

“Daqui a uns dias vai ser lixado, quando começar a fazer frio, dou cabo dos dedos”.

A máquina do pão apitou, entrou, tirou o pão, quente, perfumado, e pôs a arrefecer na grelha, para não ficar húmido.

Sete horas, acaba-se o silêncio. “Daqui a uns dias ainda vai ser de noite, já não posso andar por aí”

Lá dentro, o rádio acorda com notícias que mais ninguém quer ouvir. Ainda é lusco fusco, porque o Outono está quente, mas a Terra não se enganou na rotação nem na translação, e os dias custam a despertar. Mais ninguém quer abrir os olhos.

Mais ninguém quer sentir o cheiro da madrugada. Mais ninguém, e não sabem como é bom

Na cama, rebolou, e ficou a ouvir mais notícias, o toque do despertador já não a estremunha, espera por ele, sonhando acordada com o início de manhãs que hão-de vir.

– Acorda! Acorda, são horas!Acorda

– Já vou!

– Não é já , é agora.

Na verdade, não começa o dia a falar com flores e frutas, ou com as galinhas. Sonha com eles, no seu quarto de cidade.

Partilhar isto:

Tags:

    1. Ali Babá e os 40 Mandriões

      Muitos parabéns à premiada. Por incrível que pareça, foi através do blog desta autora que cheguei a este…

    1. Ali Babá e os 40 Mandriões

      Ainda noutro dia o RAP fazia corar de vergonha as pessoas que coleccionam “selos de fruta”. Passam-se tempos e tempos até que “damos os nomes aos bois”…

Deixar uma resposta Cancelar resposta

Escreva o seu comentário aqui…

1 Comment

Leave a Reply