EDITORIAL – O FUTURO INCERTO

Imagem2

O ataque terrorista em Nairobi mereceu uma repulsa generalizada, até por o seu alvo directo serem pessoas indefesas, e que na sua maioria, ou mesmo na totalidade nada tinham a ver com os problemas invocados pelos autores. Não se deve entretanto desligar este  acto  de outros acontecimentos violentos, que têm ocorrido em grande parte da África, no Próximo e no Médio Oriente, e noutras paragens, e da instabilidade que por todo o lado se vai constituindo como uma realidade diária das populações. As lutas na Somália, a guerra civil na Síria, a agitação no Egipto e na Tunísia, a desagregação da Líbia, são fenómenos derivados da enorme instabilidade política e da incerteza quanto ao futuro que afectam as populações de tantos países de Marrocos a Caxemira, e ameaçam ir mais além.

Lemos no Diário de Notícias uma informação sobre a desagregação da Líbia. O Fezzan, uma vasta região maioritariamente desértica, situada no sul do país, com fronteiras com o Chade, Níger e Argélia, resolveu separar-se do poder central. A Cirenaica, a região oriental, que faz fronteira com o Egipto, com importantes recursos petrolíferos, já terá manifestado anteriormente a intenção de se separar de Tripoli. Vejam em:

http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3445777

Assim a Líbia, dois anos depois da morte de Kadhafi às mãos de rebeldes apoiados pelas potências ocidentais, está a desfazer-se.  Como verá o seu povo a situação? Seria interessante saber, mas não parece que seja tarefa. Parte dele estará integrado no sistema tribal tradicional, que agora aparecerá a muitos como a âncora de salvação mais segura. Outros tenderão a lançar-se no extremismo religioso, procurando na fé um substituto para a segurança e as perspectivas que a sociedade civil lhes devia oferecer. A Líbia segue assim o caminho da Somália, em permanente guerra civil, que levou uma das facções beligerantes, recorrendo a fanáticos enlouquecidos, a perpetrar o atentado de Nairobi.

Não hajam ilusões. Acontecimentos como estes não vão ocorrer apenas em países desérticos, de história recente complexa. O Egipto, ainda há poucos meses conheceu acontecimentos terríveis. O Iraque, rico e populoso, após as guerras de Bush & Cia, continua a ser palco de acontecimentos terríveis. Na Síria, o que parece interessar às potências ocidentais, é derrubar Assad, sem olhar a consequências. Não tenhamos ilusões: o que está a acontecer aos povos de África e do Médio Oriente vai ter sérias repercussões noutros lados do mundo, e a Europa não está imune.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: