SONET D’UN DIUMENGE (SONETO DE UM DOMINGO), de VINICIUS DE MORAES – TRADUÇÃO CATALÃ de JOSEP ANTON VIDAL

Um Café na Internet
 
 
 
 
 

 

Sonet d’un diumenge

 

Hi ha molta pau a casa en un diumenge així.

La meva dona dorm, els infants juguen, plou…

Em sento només pare, oblidat de qui sóc,

i escolto, en un silenci desert i sense fi,

 

un rellotge a la cambra i un altre dins de mi…

Mirar el jardí em distreu: el veig humit, salvatge,

i com floreix, indòmit, fins i tot en l’obaga

malgrat que hi bufa el vent i que el sòl és molt prim.

 

És del cert  l’infinit aquesta casa mínima

que m’amortalla el son i en la dissort m’empara

i que una mà de dona ha fet amable i simple.

 

Déu que ets pare com jo i tens potser qui estimes:

fes que, quan sigui l’hora, marxi sense recança

duent-me això tan breu, ni que sigui una mica.

 

Vinicius de Moraes – Rio de Janeiro, 1944

Traducció: Josep A. Vidal

 

 

Soneto de um domingo

Em casa há muita paz por um domingo assim.

A mulher dorme, os filhos brincam, a chuva cai…

Esqueço de quem sou para sentir-me pai

E ouço na sala, num silêncio ermo e sem fim,

 

Um relógio bater, e outro dentro de mim…

Olho o jardim úmido e agreste: isso distrai

Vê-lo, feroz, florir mesmo onde o sol não vai

A despeito do vento e da terra que é ruim.

 

Na verdade é o infinito essa casa pequena

Que me amortalha o sonho e abriga a desventura

E a mão de uma mulher fez simples, pura e amena.

 

Deus que és pai como eu e a estimas, porventura:

Quando for minha vez, dá-me que eu vá sem pena

Levando apenas esse pouco que não dura.

 

Rio de Janeiro, 1944.

Leave a Reply