Há 78 anos morreu FERNANDO PESSOA – uma ode de RICARDO REIS

216_2310-Fernando-Pessoa
1888 – 1935

Nada fica de nada. Nada somos.

Um pouco ao sol e ao ar nos atrasamos

Da irrespirável treva que nos pese

Da humilde terra imposta,

Cadáveres adiados que procriam.

 

Leis feitas, estátuas vistas, odes findas  

Tudo tem cova sua. Se nós carnes

A que um íntimo sol dá sangue, temos

Poente, por que não elas?

Somos contos contando contos, nada.

2 Comments

  1. Como é shakespeariano (- a tale told by na idiot. signifying nothing…) esse Pessoa “nosso” . Sim, nós no Brasil o amamos tanto que vou ousar chama-lo também nosso, João Machado.
    Obrigada por essa tão bela escolha do poema de hoje.
    Rachel Gutiérrez

Leave a Reply