POESIA AO AMANHECER – 344 – por Manuel Simões

poesiaamanhecer

                                   SÉRGIO VIEIRA

                                          ( 1941 )

            TRÍPTICO PARA ESTADO DE GUERRA ( I quadro)

            Grevistas cadáveres de Xinavane

                        dando mãos fraternais

            às bocas definitivamente abertas

                        dos camponeses de Mueda

            PARA QUE FOME SAIA DOS VENTRES

 

            Pés andando e trepando carregando

            com orelhas que ouvem lições novas

            diferença subtil

            da bala que mata e outra que só faz barulho

            PARA QUE HOMENS NÃO MORRAM NA MINA

 

            Jovens de olhos negros e sobretudos

            em paisagens de neve e línguas estranhas

            PARA QUE CRIANÇAS SAIBAM LER

 

            Trabalhadores

            de campos brancos de algodão

            de poeira cinzenta de cimento

            jovens

            acariciando formas ásperas de granadas

            atravessam longos corredores de Universidades

            PARA QUE UM POVO LIVRE MAIS OUTRO POVO LIVRE

                                                                                    SEJAM AMIGOS

 

            (de “Poesia africana di rivolta”)

Poeta moçambicano. Incluído na colectânea “Poetas de Moçambique” (CEI, 1962) e também na “Breve Antologia de Literatura Moçambicana” (1967). Antologiado na “Poesia africana di rivolta” (ed. bilingue, 1969).

Leave a Reply