POESIA AO AMANHECER – 350 – por Manuel Simões

 poesiaamanhecer

                                   JORGE BARBOSA

                                      ( 1902 – 1971 )

            A MORNA

                                   à Maria Tereza Barbosa

            Canto que evoca

            coisas distantes

que só existem

                        além

            do pensamento

            e deixam vagos instantes

                        de nostalgia,

            num impreciso tormento

            das nossas almas…

 

                        Morna

            desassossego,

                        voz

            da nossa gente

            reflexo subconsciente

                        em nós

            das vagas ao longo das praias;

                        das aragens

            que trazem um sorriso bom

                        às equipagens

            dos barquinhos à vela

            e flexibilidades graciosas

                        às folhagens

            do milharal,

            musicando rapsódias em surdina

            nos tectos das casas pobres…

 

            (de “Arquipélago”)

Uma das figuras mais interessantes da revista “Claridade” (1936-1960). Com “Arquipélago” torna-se pioneiro da moderna poesia cabo-verdiana. Incluído em muitas antologias, designadamente “Poesia em Cabo Verde” (1944) ou “Modernos poetas cabo-verdianos” (1961). Publicou: “Arquipélago” (1935), “Ambiente” (1941), “Caderno de um Ilhéu” (1956).

1 Comment

Leave a Reply