POESIA AO AMANHECER – 388 – por Manuel Simões

 poesiaamanhecer

                                   RENÉ PHILOMBÉ

                                       ( 1930 – 2001)

            SEMELHANTE A TI

            Bati à tua porta

            bati no teu peito

            à procura duma cama

            à procura de fogo:

            porque me repeles?

            Abre-me a porta, irmão!

            Porque perguntas

            se sou africano

            se venho da América

            se sou europeu:

            Abre-me a porta, irmão!

            Porque me perguntas

            por este nariz

            se meus lábios são grossos

            a cor da pele

            e quais são os meus deuses?

            Abre-me a porta, irmão!

            Não sou um negro

            não sou vermelho

            não sou amarelo

            e não sou branco

            sou apenas um homem.

            Abre-me a porta, irmão!

            Abre-me a porta

            abre-me o teu peito

            que eu sou um homem

            o de todos os tempos

            e de todos os céus

            sou teu semelhante!

            (de “Chants du Silence”, versão de MS.)

Poeta e novelista dos Camarões, de expressão francesa. Pseudónimo de Philippe Louis Ombedé. Incluído em “Neuf poètes camerounais” (1971). De entre os seus livros: “Chants du silence”, “Petites gouttes de chant pour créer l’homme” (1977), “Espaces essentiels” (1982).

Leave a Reply