DIA INTERNACIONAL DA FAMÍLIA EM CABO VERDE – por Clara Castilho

 Imagem1 (2)

O Dia internacional da Família, celebrado anualmente a 15 de maio, vai ser vivido em Cabo Verde, numa iniciativa da associação ACRIDES. A Associação Crianças Desfavorecidas é uma sociedade cuja filosofia assenta na solidariedade social em prol das Crianças/Famílias mais desfavorecidas, e tem como objectivo primordial a promoção e defesa dos direitos e deveres das crianças/famílias.

 

É já a 10ª edição da Semana de Valorização da Família, sob o lema: “Mães e Familiares: Desafios Num Mundo em Transformação”. As actividades começaram quaseacrides- dia familia um mês antes, com  pequenos fóruns comunitários, realizados nas portas dos pequenos bares, nas varandas das casas onde encontram pessoas a conversarem, nas praças, nos arredores dos campos de futebol. OS seus técnicos e associados  levam  temas que ajudem na reflexão e tomada de consciência, do papel de cada membro dentro de uma família. Este ano foi: Diálogo, Tolerância e Cooperação no seio da Família. Esta data foi escolhida pela Assembleia Geral da ONU. Quando no ano de 1993, em Assembleia-Geral das Nações Unidas, Kofi Annan apelou a todos os estados membros para os direitos e responsabilidades da família no processo de socialização dos elementos seus constituintes, estava lançado a primeiro desafio para a importância que este sistema assume na construção daquela que é a sustentação dos valores e atitudes que a mobilizam – os afectos. Considerava-se, assim que no quadro socioeconómico e político em que vivemos, que se assume de uma elevada fragilidade para os sistemas familiares, os afectos são, certamente, mobilizadores de um processo de construção e de promoção do seu estado de saúde.

Segundo Lourença Tavares, as famílias cabo-verdianas chefiadas pelas mães, por terem contribuído e poder continuar a dar o seu contributo para a formação da próxima geração, são o público-alvo da semana que pretende “redobrar esforços na afirmação de valores como diálogo, colaboração, tolerância, compreensão, e a protecção dos seus filhos”.

E porque a família é o pilar da sociedade, e a quem recai a responsabilidade no melhoramento do ambiente familiar, na segurança de um futuro melhor para o país, a presidente da Acrides acredita que além das mulheres, os homens também, devem merecer maior atenção, tanto na perspectiva formando, como na de multiplicador de informação na comunidade. E porque o 2014 é o ano em que completa 25 anos da divulgação da Convenção dos Direitos da Criança, a Acrides, segundo Lourença Tavares, quer com estas acções contribuir para que a família cultive os Direitos das Crianças.

 

 

Leave a Reply