POESIA AO AMANHECER – 456 – por Manuel Simões

poesiaamanhecer

                         ADÉLIA PRADO

                                          ( 1936 )

            ENSINAMENTO

            Minha mãe achava estudo

            a coisa mais fina do mundo.

            Não é.

            A coisa mais fina do mundo é o sentimento.

            Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,

            ela falou comigo:

            «Coitado, até essa hora no serviço pesado».

            Arrumou pão e café, deixou tacho no fogo com água quente.

            Não me falou em amor.

            Essa palavra de luxo.

            (de “Bagagem”)

Poetisa e contista. Da sua obra poética: “Bagagem” (1976), “O coração disparado” (1978), “O pelicano” (1989), “Poesia (1949-1979), “O anticrítico” (1986).

 

 

Leave a Reply