DUNAS, de CARLOS DE OLIVEIRA

Imagem1

1921 - 1981
1921 – 1981

 

 

DUNAS, de CARLOS DE OLIVEIRA

Dunas

 

 

 

 

 

 

Contar os grãos de areia destas dunas é o meu ofício actual. Nunca julguei que fossem tão parecidos, na pequenez imponderável, na cintilação de sal e oiro que me desgasta os olhos. O inventor de jogos meu amigo veio encontrar-me quase cego. Entre a névoa radiosa da praia mal o conheci. Falou com a exactidão de sempre:

«O que lhe falta é um microscópio. Arranje-o depressa, transforme os grãos imperceptíveis em grandes massas orográficas, em astros, e instale-se num deles. Analise os vales, as montanhas, aproveite a energia desse fulgor de vidro esmigalhado para enviar à Terra dados científicos seguros. Escolha depois uma sombra confortável e espere que os astronautas o acordem».

Carlos de Oliveira, Trabalho Poético (Antologia),
Braga, Editora Angelus Novus, 1996

Leave a Reply