NESTE DIA….FOI A ESTREIA DO 1º FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA

nestedia1

Foi em 1902 que Georges Méliès, em França, apresentou o seu filme A Viagem à Lua. Inspirava-se nos livros Da Terra à Lua e À Volta da Lua, de Julio Verne, publicados em 1865 e 1869.

 Recordemos que a nova forma de entretenimento, o cinema, abria as portas a novos horizontes para sonhar, expressar sentimentos, novo passo em frente com novo registo, depois da pintura e da  fotografia. Antes, acontecera o  cinetógrafo, em 1890, o primeiro estúdio de cinema, em 1893, o vitascope em 1896, em França e os Irmãos Lumières tinham inventado o cinematógrafo, cuja patente foi registada em 1895.

melies-georges-01-g

 Nesse mesmo ano foi produzido e exibido, no “Grand Café”, em Paris, o filme “La Sortie des Usines Lumières ( a Saída da Fábrica Lumière), que é hoje considerada a primeira película da história do cinema. Tal como esta, os filmes da época eram sempre feitos sobre situações do quotidiano, como o trabalho ou relações familiares. E começaram a perder a magia das primeiras apresentações. Mas, felizmente, graças à imaginação de George Méliès, o cinema tomou um novo rumo.

A ideia de Méliès foi transformar os sonhos das pessoas em imagens animadas na tela, sendo o primeiro inventor de ficções cinematográficas. Alguns de seus trabalhos foram os filmes “Viagem à Luz” (1902) e “Viagem Através do Impossível” (1904).

Hoje, é com um sorrido que vemos estes filmes, mas o visual e efeitos especiais concebidos por Méliès revelaram-se à frente do seu tempo e abriram caminho para muitos dos conceitos e técnicas cinematográficas que, hoje, tomamos como garantidos. É impressionante saber que vários desses filmes já eram coloridos manualmente, quadro a quadro, num processo que levava cerca de quatro meses por exemplar.

É interessante ver como mais de 100 anos depois e mais de 40 após a chegada do homem à Lua, o filme ainda suscita, em crianças e adultos, o fascínio e o maravilhamento da viagem e da descoberta do universo.

 O original

Depois de colorido, com um lento processo de restauro, cujo resultado foi exibido no Festival de Cannes de 2011.

 

Leave a Reply