O PETRÓLEO BRUTO E OS MALFEITORES – O PREÇO DO BARRIL DE PETRÓLEO NÃO SE AFUNDOU POR OBRA DO ESPÍRITO SANTO – por JEAN-LUC GRÉAU

Falareconomia1 Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Causeur_svg

O petróleo  bruto e os malfeitores

O preço do barril de petróleo não se afundou  por obra do Espírito-Santo

Jean-Luc Gréau, antigo conselheiro económico do MEDEF, organização representativa do patronato francês, um economista que muito respeito.

Le brut et les truands – Le prix du baril de pétrole ne s’est pas effondré par l’opération du Saint-Esprit

Causeur.fr, 5 de Fevereiro de 2015

gréau - petróleo - I*

gréau - petróleo - IIEm volume, os recursos correntes disponíveis em petróleo ultrapassam as necessidades efectivas, os preços ajustam-se, é certo que de maneira precipitada mas de uma forma que não poderia ser mais lógica do que o que está a ser.

Como se a compreensão do mundo económico não fosse  já  bastante complicada como isso,  eis  que o preço do barril de petróleo deu cabo da estrutura de preços em vigor,  passando de mais de 100 dólares na véspera do Verão para menos de 50 dólares no início do Inverno. E, como sempre,  com um ar doutoral  e satisfeito, os doutores Diafoirus encarregados dos comentários  dão-nos  “um exercício de clarividência retroactiva”. Era previsível, dizem-nos, dado que se  trata  de uma pura manifestação da lei da oferta e da procura. No caso actual,  os recursos correntes de petróleo disponíveis excedem as necessidades efectivas, os preços ajustam-se, certamente de  forma precipitada, mas de uma forma que não poderia ser mais lógica do que o que está a ser.

A teoria do Pico do petróleo perdeu a sua importância, a retoma não é o que deveria ser

Todas as grandes empresas do mundo, cujo futuro depende da disponibilidade de petróleo estão preocupadas com o pico do petróleo, deveriam ver inverter-se  a curva do stock de petróleo explorável nas entranhas do globo. Volkswagen, Michelin, BASF, Boeing, as companhias aéreas e muitos outros seriam forçadas a uma revisão drástica de seu modelo económico se o petróleo entrasse na verdade na era da  escassez.

Ora, até agora não  de se  deixou  de continuar a  descobrir novas jazidas de petróleo ou de  gás: no Médio Oriente; na África (Angola, Moçambique, Argélia); na América do Sul, em que   o Brasil, totalmente dependente de suas importações, há 15 anos atrás, hoje é auto-suficiente; na Austrália; no mar Cáspio; na Rússia, que aposta nas  reservas  potencialmente enormes do mar de Kara. Finalmente, nos Estados Unidos, que se sentem apoiados nos providenciais recursos de gás e de petróleo de xisto para se tornarem e independentes dos seus fornecedores no Golfo Pérsico e reconstruirem a sua produção química nas imediações das jazidas.

No entanto, além disso e apesar dos gritos de alarme dos ambientalistas, a utilização do carvão para a produção de energia não tem descido. Pelo contrário. A China, a Índia, o Vietname, a África do Sul e a Austrália não abrandaram a sua produção; os Estados Unidos, que têm as maiores reservas do mundo, aumentaram a sua produção  explorando a bacia de  Wisconsin.  Nem a Alemanha virtuosa hesita  para reduzir o preço da sua electricidade em  substituir o gás por uma maior utilização de  carvão  nas suas grandes centrais[1]  mesmo com o risco de aumentar, sem nenhum problema de ordem moral,  as  suas emissões de CO2 com a cumplicidade notável do partido Os Verdes alemães.

No entanto, a procura das economias de altos  níveis de consumo  não explodiu, como muitos esperavam. A Europa está a atravessar por uma fase de recessão que os políticos que estão na base da criação do euro  nunca previram.  Os grandes países emergentes, como o Brasil ou a Índia, grandemente abrandaram o seu consumo. A China, que já não é um país que se possa chamar de emergente , mas sim de  um país industrial, importa menos  energia e matérias-primas do que o esperado, e os seus dados relativamente ao crescimento económico,  ainda que importantes, estão exagerados, ou então  os seus esforços desenvolvidos para a economia de energia começam a  dar  resultados. Quanto aos  Estados Unidos, cuja recuperação económica não oferece nenhuma  sombra de dúvida, deixam de  pesar  na procura global  graças ao forte crescimento na sua produção interna.

Numa  simples leitura dos factos, o argumento baseada  no jogo de oferta e da procura  parece crível. O mercado ajustar-se-ia  aos novos preços. Agora, seria  suficiente procurar saber quais  as consequências duradouras da nova situação petrolífera  sobre os  consumidores e sobre os  produtores.

Tudo isto é política

Dito isto, tenhamos  em mente que a queda do preço do  petróleo se encaixa num contexto de abertura de conflitos geopolíticos.

De um lado,  uma espécie de nova guerra fria eclodiu entre a Rússia e os “Ocidentais”  por causa  da crise ucraniana; por outro lado, o Irão  e os “Ocidentais” estão envolvidos em negociações difíceis sobre a capacidade nuclear que Teerão quer ter.

É assim que  se infiltrou no debate a tese, em grande parte alimentada  por  Moscovo e Teerão, de uma guerra económica, conduzida pelos Estados Unidos para quebrar os rins à  economia russa e iraniana, economias com a cumplicidade dos sauditas, inimigos jurados do seu grande vizinho persa.

Do estrito ponto de vista técnico, esta tese tem-se sustentado.  Recusando-se a reduzir a sua produção, Riad abriu caminho para as expectativas à  baixa dos traders  de Nova York.  Para quem sabe a relação estreita entre Wall Street e Washington – descrita como “um corredor” por um ex-director do  FMI,  é lógico imaginar uma ofensiva económica contra Moscovo e Teerão.

É certo que o Irão  e à  fortiori a Rússia dependem,  no limite, de um  bom preço das suas exportações em  petróleo e  de matérias-primas. Apesar da má gestão dos mollahs  e da persistente fragilidade da economia russa, estes dois países foram capazes de manter uma relativa prosperidade ao longo dos últimos dez anos. A Rússia apresenta mesmo dados  económicos que poderiam fazer  inveja aos  Estados Unidos e aos políticos estropiados da União Europeia: dívida pública de 43% do PIB, acima de US $ 400 mil milhões de reservas em  divisas. Mas Putin sabe que a economia russa  está   condenada a uma recessão violenta devido ao colapso dos preços do petróleo e a uma dada deficiência estrutural: o endividamento das  suas empresas. No entanto, a queda dos preços do petróleo resultou  numa  queda mecânica do rublo que duplicou o peso real do serviço da dívida em dólares. É aqui que mais bate o ponto para a economia russa, porque as suas principais empresas, incluindo as dos hidrocarbonetos  pagam agora entre 30 e 50 mil milhões por trimestre…

Lei do mercado ou o resultado de uma operação bem precisa?  Longe de se contradizerem  estes dois cenários puderam ser combinados. Porque os traders de Nova Iorque  sabem pilotar  a evolução do preço do barril, pelas operações a prazo [e sobre os mercados de  futuros]  constantemente orientadas à baixa. Esta operação não somente provocou  danos colaterais em todos os principais países produtores, a começar pela própria Arábia Saudita, a contas com um enorme défice orçamental,  mas também para o sinistrado sector americano de petróleo. Até aqui muito florescente, este último mercado tece que rever  todos os seus planos de investimento e de contratação e suspender os  projectos de exploração de novas jazidas, cujos custos de exploração  ultrapassam os  50 USD por barril[2]. A questão agora é de saber   qual é o custo  de extracção  por barril.  Se as técnicas mais recentes permitiram reduzir este custo de 70 para 57 dólares, é ainda muito caro para as jovens empresas de energia que se endividaram fortemente  em emitindo  títulos de alto risco – junk bonds títulos emitidos no mercado de obrigações de alto rendimento[3].

A menos que haja uma consolidação do preço do barril, o sector dos hidrocarburetos  extraídos do xisto está  pois  assim  condenado  à falência. Isso não criaria uma catástrofe à  Lehman Brothers, mas provocaria  prejuízos financeiros ( incumprimentos sobre dívidas) e lesões económicas em série: queda conjunta de produção, dos  investimento, do emprego e  dos rendimentos  (a indústria do petróleo paga bem, a média de salário anual é de cem mil dólares). Não haverá nenhum apocalipse económico  no horizonte, mas um muito mau resultado num mundo onde as incertezas económicas se reforçam  – a zona euro está em suspenso, o  crescimento chinês  reduz-se. À força de se jogar  com o ouro negro, os nossos amigos americanos poderão  eventualmente queimarem-se.

Jean-Luc Gréau, Revista Causeur, Le brut et les truands- Le prix du baril de pétrole ne s’est pas effondré par l’opération du Saint-Esprit.

Texto disponibilizado pelo director da revista, Gil Mihaely,  com autorização de publicação, o que muito agradecemos.

*Photo: Pixabay.

________

[1]  A Alemanha importa carvão americano  e recoloca em exploração  os recursos do Rhur.

[2] Como no mar do Norte.

[3] As emissões representam   12 % do total do mercado.

________

Ver o original em:

http://www.causeur.fr/petrole-usa-russie-iran-31389.html#

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: