Posts Tagged: júlio marques mota

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte III

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No entanto, as questões de “qualidade do emprego” são agora brutalmente desafiadas por alguns estudos prospetivos que anunciam nada mais, nada menos do que o desaparecimento de um número muito grande de postos de trabalho e do fim da força de trabalho, devido à revolução tecnológica em curso.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte III

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No entanto, as questões de “qualidade do emprego” são agora brutalmente desafiadas por alguns estudos prospetivos que anunciam nada mais, nada menos do que o desaparecimento de um número muito grande de postos de trabalho e do fim da força de trabalho, devido à revolução tecnológica em curso.

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte II

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No final do século XIX, em vez de suprimir a relação salarial em vias de formação, o discurso e a prática social-democrática, pelo contrário, fazem dos salários o canal através do qual a riqueza se espalhará e através do qual uma ordem social mais justa (fundada sobre o trabalho e as capacidade) e verdadeiramente coletiva (os “produtores associados”) irá gradualmente enraizar-se.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte II

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No final do século XIX, em vez de suprimir a relação salarial em vias de formação, o discurso e a prática social-democrática, pelo contrário, fazem dos salários o canal através do qual a riqueza se espalhará e através do qual uma ordem social mais justa (fundada sobre o trabalho e as capacidade) e verdadeiramente coletiva (os “produtores associados”) irá gradualmente enraizar-se.

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte I

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No início do século XIX, muitos textos ecoavam a mesma transformação: o trabalho já não era considerado apenas como dificuldade, esforço, sacrifício, como uma despesa, como uma “desutilidade”, mas também como uma “liberdade criativa”, através da qual o homem pode transformar o mundo, torná-lo gerivel, habitável, imprimindo nele a sua marca.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte I

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No início do século XIX, muitos textos ecoavam a mesma transformação: o trabalho já não era considerado apenas como dificuldade, esforço, sacrifício, como uma despesa, como uma “desutilidade”, mas também como uma “liberdade criativa”, através da qual o homem pode transformar o mundo, torná-lo gerivel, habitável, imprimindo nele a sua marca.

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 5 – A gestão de pessoal não se interessa pelo trabalho – Parte II

(Isabelle Bourboulon, Setembro de 2017, Tradução Júlio Marques Mota)

Não ter em conta esta questão central do trabalho num contexto de descontentamento social devido a dificuldades económicas, à precariedade e ao desemprego, podemos voltar a ver a ocorrência de fenómenos de violência como outrora em que se verificaram casos de sequestro de patrões ou ameaças para explodir o local de produção e os  meios de produção. A crise do trabalho poderá então  assumir formas muito mais radicais do que as dos  “riscos psicossociais”.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 5 – A gestão de pessoal não se interessa pelo trabalho – Parte II

(Isabelle Bourboulon, Setembro de 2017, Tradução Júlio Marques Mota)

Não ter em conta esta questão central do trabalho num contexto de descontentamento social devido a dificuldades económicas, à precariedade e ao desemprego, podemos voltar a ver a ocorrência de fenómenos de violência como outrora em que se verificaram casos de sequestro de patrões ou ameaças para explodir o local de produção e os  meios de produção. A crise do trabalho poderá então  assumir formas muito mais radicais do que as dos  “riscos psicossociais”.

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (4ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (4ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (4ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (4ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (3ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (3ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (3ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (3ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (2ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (2ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (2ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (2ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (1ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (1ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (1ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (1ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 5 – A gestão de pessoal não se interessa pelo trabalho – Parte I

(Isabelle Bourboulon, Setembro de 2017, Tradução Júlio Marques Mota)

As reformas nos métodos de gestão que ocorreram nos últimos trinta anos resultaram num aumento considerável do trabalho e afetaram todas as categorias socioprofissionais. Particularmente aquelas de operários, empregados, técnicos e de agentes do controlo que, devido a problemas organizacionais, muitas vezes acumulam condições psicológicas e físicas muito más.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 5 – A gestão de pessoal não se interessa pelo trabalho – Parte I

(Isabelle Bourboulon, Setembro de 2017, Tradução Júlio Marques Mota)

As reformas nos métodos de gestão que ocorreram nos últimos trinta anos resultaram num aumento considerável do trabalho e afetaram todas as categorias socioprofissionais. Particularmente aquelas de operários, empregados, técnicos e de agentes do controlo que, devido a problemas organizacionais, muitas vezes acumulam condições psicológicas e físicas muito más.