Apresentação do «site» literário – www.norberto-avila.eu – por António Gomes Marques

Ainda recentemente, num texto para o Catálogo que acompanhou a exposição «Arsénio Mota – uma vida como obra», no Museu do Neo-Realismo, lembrava eu que este autor, no 3.º Congresso de Escritores Portugueses, «apresentou uma comunicação que versava a forma como o mercado estava a consumir a Literatura (…). Recordo a preocupação do meu amigo perante a indiferença dos seus pares escritores em relação à sua comunicação, cuja temática lhe parecia, assim como a qualquer cidadão preocupado com o desenvolvimento do país, digna da maior atenção e, consequentemente, de uma discussão que levasse à tomada de medidas ou, por parte dos escritores, da elaboração de propostas claras reivindicativas junto das entidades competentes»

Mais à frente, recordei um artigo publicado no dia 21 de Julho de 2013, na Revista do Público, «Pagar para Publicar», da autoria de Catarina Fernandes Martins, o qual fala de «editoras que se dedicam a publicar autores desconhecidos a um ritmo industrial». Os autores avançam com 500 euros e têm a garantia de ver a sua obra publicada, assim como, se da edição se vender um determinado número de exemplares, o autor nada fica a dever ao editor e poderá mesmo reaver o gasto que teve se conseguir vender, ele próprio, os exemplares com que ficou.

Ora, neste mercado do livro hoje existente epredominante, não interessa a qualidade, importante sobretudo é o autor e o editor saberem utilizar os truques que o «marketing» proporciona, dando preferência a escritores(?) bem conhecidos, nomeadamente, do público televisivo. E vendem livros aos milhares! Na sua larga maioria, estamos perante textos de centenas de páginas que nada acrescentam à literatura e muito menos contribuem para a reflexão de quem os lê.

Norberto Ávila, o autor de que agora nos interessa falar, é um dos escritores bastante publicados sem recurso aos truques de que acima falo. Mais conhecido como dramaturgo, tocou vários géneros literários, apresentando hoje uma obra que abrange também o conto, o romance, a poesia. Como dramaturgo tem uma obra extensíssima, cuja qualidade se poderá apreciar graças à edição, em 4 volumes, de «Algum Teatro», pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda, não podendo eu deixar de referir o seu primeiro grande êxito, precisamente uma peça para a infância e juventude, «As Histórias de Hakim». Trata-se de uma peça de 1966, representada pela primeira vez no Teatro Monumental, em Lisboa, na temporada de 1969-1970, com a 1.ª edição portuguesa em Fevereiro de 1978, pela APTA – Associação Portuguesa do Teatro de Amadores, a cuja Direcção eu então presidia, com a curiosidade de ter sido publicada e representada antes na Alemanha, simultaneamente na RFA e na RDA, sendo uma das peças, neste género, mais representadas neste país,então ainda não unificado.

Porquê esta referência e estes pormenores na apresentação do «site» literário? Simplesmente por estarmos a referir um autor traduzido em várias línguas, que como autor teatral é mais representado e conhecido em dezenas de países do que em Portugal, cujo «site», que agora apresentamos é já lido em 30 países, o que também mostra como o nosso país trata os seus autores de qualidade.

Mas a obra literária de Norberto Ávila, particularmente a teatral, é de uma notável riqueza, com grande diversidade de temas. Não enjeitando, naturalmente, a publicação das suas obras mas recusando, veementemente, a utilização dos truques que atrás referi, Norberto Ávila, dando também mostras de uma grande generosidade, não poderia deixar de aderir às novas tecnologias, criando o seu «site» literário, agora reestruturado, onde o leitor poderá apreciar a qualidade da escrita a que sempre nos habituou e, assim, tomar conhecimento com a obra vastíssima de um autor português, natural de uma das mais belas regiões do país, Açores, que merece ser lido e representado.

Imagem1

 

 

Leave a Reply