CASA DA ACHADA – CENTRO MÁRIO DIONÍSIO – LEITURA FURIOSA, A PRÓPRIA SUBSTÂNCIA DOS OBJECTOS, PRÊT-À-PORTER

24 e 25 de Maio de 2015

A Leitura Furiosa é um acontecimento anual que dura três dias. Um momento de encontro de pessoas «zangadas com a leitura» com escritores. O momento único que permite a um não-leitor aproximar-se, com um escritor, da escrita. Cada um faz ouvir a sua voz e segue um outro caminho. E isto acontece ao mesmo tempo em Lisboa (na Casa da Achada), no Porto (em Serralves), em Beja (na Biblioteca Municipal) e em Amiens (França), pela mão da Association Cardan.

Vários pequenos grupos de «gente zangada com a leitura» convivem durante um dia com um escritor, como entenderem fazê-lo. À noite, o escritor escreve um pequeno texto que oferecerá ao grupo quando, no dia seguinte, voltar a encontrar-se com ele. Passarão todos por uma livraria, por uma biblioteca. Os textos são ilustrados, paginados e os que vêm de França traduzidos. No domingo, terceiro dia do encontro, são tornados públicos numa sessão de leitura feita por actores e não-actores, alguns deles musicados e cantados, e publicados numa brochura.

Neste ano, em Lisboa, os escritores Filomena Marona Beja, João Paulo Esteves da Silva, José Mário Silva, Miguel Cardoso e Miguel Castro Caldas encontram-se com grupos de pessoas do Centro de Apoio Social de São Bento, do Conselho Português para os Refugiados, da Escola n.º 10 do Castelo, da Escola Secundária Gil Vicente e do Serviço Jesuíta aos Refugiados e escrevem os textos que serão ilustrados por Bárbara Assis Pacheco, Marta Caldas, Nadine Rodrigues, Pierre Pratt e Zé d’Almeida e lidos e cantados por Antonino Solmer, Diogo Dória, F. Pedro Oliveira, Inês Nogueira, João Caldas, Luís Lucas, Nuno Moura, Pedro Rodrigues e Sofia Ortolá.

Ao fim da tarde, pelas 18h30, vamos continuar a leitura de A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio. A leitura, comentada e com projecção de imagens, é do 1º capítulo, «A própria substância dos objectos», da 2ª parte, «Prestígio e fim duma ilusão» e será feita por Ana Figueiredo.

Mais tarde, às 21h30, projectamos o filme Prêt-à-porter (1994, 133′) de Robert Altman. Quem apresenta é Maria João Brilhante.

No ciclo «Bastidores – Fazeres que não se vêem» não se trata de mostrar só os bastidores de uma peça de teatro ou da rodagem de um filme, mas muitos outros bastidores da vida e do quotidiano, da arte e dos fazeres. O ciclo de cinema continua até Junho, e a programação completa pode ser vista aqui.

Leave a Reply