CICLO DE MÚSICA IBÉRICA, DE 4 A 6 DE JUNHO, NO TEATRO IBÉRICO, LISBOA

O Teatro Ibérico tem o prazer de apresentar o Ciclo de Música Ibérica, a decorrer nos dias 4, 5 e 6 de Junho, às 21h30. Este Ciclo de três concertos será protagonizada pela conhecida guitarrista contemporânea Isabel Gil Vera, a qual dará ainda uma masterclass no dia 6, às 14h00 no nosso espaço.

4.6 teatro

Teremos ainda o privilégio de assistir a dois concertos em que um contará com a voz da mezzosoprano Elena Gragera e outro com a guitarra de José Antonio García Fuertes.

Este ciclo de música ibérica reúne, em três concertos e uma masterclass, alguns marcos da música espanhola e portuguesa, onde a guitarra, enquanto instrumento representativo e comum às nossas duas culturais, serve de fio condutor do espectáculo. Fados, Jotas, Malagueñas e música contemporânea de reconhecidos compositores, tais como Silvestre Fonseca, Zulema de la Cruz ou José Buenagu,de quem se apresenta a estreia absoluta a obra Tríptico de Místicas para voz e guitarra.

Três concertos e uma masterclass para desfrutar de belas músicas “ibéricas” no seu marco mais apropriado: o Teatro Ibérico.

ISABEL GIL VERA

Considerada uma das guitarristas mais expressivas do panorama actual em Espanha. Iniciou os seus estudos de guitarra na sua cidade natal com D. Guillermo Noguera. Passou depois para Sevilha, onde estudou com o falecido catedrático Serafín Arriaza, com o qual acabou os seus estudos com a máxima classificação. Foi depois para Madrid, onde reside actualmente, tendo aí acabado o curso de Pós-Formação com o catedrático D. Demetrio Ballesteros. Mais tarde completou a sua formação com guitarristas como José Tomás, Manuel Barrueco, David Russel, tendo obtido numerosas recompensas em concursos nacionais e internacionais. Já se produziu em concertos por toda a Europa, mas também em Marrocos, México, etc. É frequentemente convidada por grandes compositores para fazer a estreia absoluta da sua música sinfónica com guitarra. AssimReflejos de Noche,  de Jean Toral (Francia), Las Mujeres y el Quijote, de Leticia Armijo (México), Concertante para guitarra, flauta y arcos, de José Buenagu (España). De destacar a sua recente gravação no CD Mujeres en la Música Sinfónica Mexicana IIVol. XII de la Colección Murmullo de Sirenas, com a Orquesta Sinfónica del Instituto Politécnico Nacional (México), dirigida por D. Boris Alvarado. Entre as suas publicações, é de destacar os textos sobre o fabrico da guitarra publicados pela Câmara Municipal de Madrid, e os seus três manuais sobre o ensino da guitarra (Editorial CEP). Colabora com entidades como a UNESCO ou o Festival Internacional Andrés Segovia, de cuja direcção faz parte desde 2009. Isabel Gil Vera toca uma guitarra Paco Santiago Marín “XXX Aniversario”.

 ELENA GRAGERA

A sua carreira sólida justifica a sua presença nos maiores palcos do país: Teatro Real, CNDM, Centro de Difusión de la Música Contemporánea, ciclo de Lied del Teatro de la Zarzuela, L´Auditori, Palau de la Música, Festivales de Santander, Torroella de Montgrí, Alicante, Ciudad de Úbeda, Semana de Música Religiosa de Cuenca, e temporadas da ORTVE, da ONE, da OCB. Em palcos internacionais cantou nas salas mais importantes de Londres, Amsterdam, Toulouse, París, La Haya, Moscú, San Petersburgo, México D.F, etc. Recebe a tradição interpretativa de Lied alemão, ddas mãos de alguns dos grandes mitos deste género, como Irmgard Seefried, Edith Mathis, Gérard Souzay e a grande contralto holandesa Aafje Heynis, com quem obtén o Diploma Superior com distinção do Koninklijk Conservatorium de La Haya. Colaborou com directores como Helmut Rilling, William Christie, Antoni Ros-Marbá, Josep Pons, José Ramón Encinar, Enrique García Asensio, Alvaro Albiach, Ramón Torrelledó, Alexis Soriano, entre outros. O seu extenso catálogo de gravações foi elogiado e premiado pelas mais importantes publicações musicais. Tem registadas canções de Joaquín Nin Castellanos (Disco do mês em Scherzo), Ernesto Halffter, Joaquín Nín-Culmell (Disco destacado em Fanfare y Melómano), Eduardo Rincón e José Hierro, monográfico Josep Soler (Columna música), Robert Gerhard (Harmonia Mundi), Isaac Albéniz e Federico Mompou (Autor). Gravou também com orquestra e outros grupos de cámara obras de Pedrell (com a OBC e Ros Marbá), Pasión Argentina (com o Octeto Ibérico de Violonchelos e Arizcuren) e Canciones para Don Quijote. Realizou a sua primeira gravação mundial da ópera Glauca y Cariolano de José Lidón, gravada em directo do Teatro de el Hermitage de San Petersburgo, com a orquestra do Museo Estatal de San Petersburgo, sob a direcção de Alexis Soriano.

 JOSÉ ANTONIO GARCÍA FUERTES

Guitarrista de prestígio, reconhecido no panorama musical espanhol e residente em Madrid. Frequentou o Real Conservatório Superior de Música de Madrid, terminando com a especialidade em Guitarra. Complementou a sua formação frequentando vários cursos e seminários com nomes como David Russell, Gerardo Arriaga, Margarita Escarpa, Hugo Geller, José Miguel Moreno, Carlos González e outros. Foi professor de guitarra em Escolas Municipais de Música em Madrid, no Centro Reconocido de Grado Elemental y Medio “Melodía Siglo XXI” e, mais tarde, professor efectivo de Guitarra no Real Conservatorio Superior de Música de Madrid. Deu Masterclasses em vários sítios do Mundo como na Sociedade de Guitarra de Almaty (Cazaquistão), Conservatorio Superior de Astana (Cazaquistão), Concervatório Superior de Hanoi (Vietnam) e concertos como solista tanto pela Ásia Central (Quirguistão, Cazaquistão, Vietmam), como em festivais europeus como “Incontri con i maestri” (em Roma, Itália), Bath International Guitar Festival (Bath, Inglaterra), COMA ou Festival Internacional “Andrés Segovia (Madrid, Espanha).

PROGRAMAS:

“España y Portugal en seis cuerdas”

 Francisco Tárrega – Capricho Árabe; Recuerdos de la Alhambra

Zulema de la Cruz – La Cueva de Montesinos

Daniel Fortea – Jota; Malagueña

Isac Albéniz – Asturias (Leyenda)

Silvestre Fonseca – (Arranjos para Guitarra) Serenata; Lisboa à Tarde; A Tendinha

Ferrer Trindade y Artur Ribeiro/Maximiano de Sousa – Nem às paredes confesso *

João Bastos/Frederico Valério – Madragoa *

João Nobre/Aníbal Nazaré – Não venhas tarde *

Fernando Carvalho/Aníbal Nazaré – Tudo isto é fado *

Silvestre Fonseca (1959) – Mi Córazon (tango)

* Arranjos para guitarra realizados por Silvestre Fonseca

 ISABEL GIL VERA, Guitarra

 “La Canción española com guitarra”

 Enrique Granados – El tralará y el punteado; La maja dolorosa (II – III)

Carmen Marina – Madre la mim madre (sobre textos de Dom Quixote)

Robert Gerhard – Cantares: La indita; Un galán y su morena;

Manuel de Falla – Siete Canciones Españolas: El paño moruno; Jota; Nana; Canción

José Buenagu – Tríptico de místicas (com textos de Teresa de Jesús): Vuestra; Nada y todo; Hermosura *

Frederico García Lorca – Canciones Españolas Antiguas – Nana; En el Café de Chinitas; De los cuatro muleros

* Estreia Absoluta

 ISABEL GIL VERA, Guitarra

ELENA GRAGERA, Voz

 “Caprichos de música española y portuguesa en dúo”

Manuel de Falla – Danza del molinero (de “El sombrero de tres picos”); Primera Danza española (de “La vida breve”)

Gaspar Sanz – Españoleta; Canarios (Arr. Garcia e Gil)

Fernando Sor – Fantasía op. 54 bis

Isaac Albéniz – Castilla (de “Suite Española”)

Jerónimo Giménez – Intermedio de la zarzuela La boda de Luis Alonso

Silvestre Fonseca – Sons do Tejo; Cancion de Romería; Teatro Opiniao; Ouro Preto; A Tendinha

 

ISABEL GIL VERA, Guitarra

JOSÉ ANTONIO GARCÍA FUERTES, Guitarra

 O Teatro Ibérico terá o prazer de receber o ilustre compositor José Antonio Buenagu, com uma estreia absoluta interpretada por Isabel Gil Vera e Elena Gragera, no concerto de dia 5 de Junho.

Buenagu recebeu diferentes Prémios que o distinguiram ao longo da carreira tais como 1º Premio e Premio Extraordinário do Real Conservatório Superior de Música de Madrid; no ramo audiovisual o Premio Nacional de Música,  Premio do Círculo de Escritores Cinematográficos, Premio Festival Internacional Santander, Premio Festival Internacional Mar de Plata, e Mención Especial do Festival Internacional de Documentales Cortos de Neuchâtel, musicalizando filmes de Espanha, França, EUA, Argentina e Colômbia. Nos últimos anos, concentra-se mais na composição e o seu nome figura nos 5 continentes.

 Teatro Ibérico

http://www.teatroiberico.org

bilheteira@teatroiberico.org

www.facebook.com/teatroiberico

Tlf: 218 682 531

Tlm: 927 510 092

 

Leave a Reply