CRÓNICAS DO QUOTIDIANO – “DOS BANDIDOS POLÍTICOS PODE VIR SALVAÇÃO?”- por Mário de Oliveira

quotidiano1A parábola do socerdote e do levita, um exclusivo do Jesus de Lucas, é tão politicamente subversiva e reveladora, que só por causa dela, Jesus já seria crucificado. O cristianismo domesticou esta parábola, como domesticou Jesus, ao ponto de fazer dele uma mais-valia do poder, exercido pelos “bandidos políticos”. É o cúmulo da traição feita a Jesus, o filho de Maria. E, nele, aos seres humanos, aos povos das nações. Não se escandalizem comigo por escrever estas coisas. Escandalizem-se com o cristianismo e tudo o que ele faz. É o Mal, mascarado com o manto do Bem. O cúmulo da encenação, do farisaísmo, da Mentira institucional, do Pecado. Originalmente, é chamada Parábola do sacerdote, do levita e do samaritano. Três figuras-referência, na época, só uma humana, precisamente, o então desprezado samaritano. O sacerdote e o levita são bandidos, vestidos de religioso. São eles, juntamente com o império de Roma, que fazem toda a espécie de Mal às maiorias da nação, representadas na parábola por um homem sem nome, formatadas para frequentarem regularmente a cidade santa-e-o-seu-templo. “Covil de ladrões”, no lúcido dizer de Jesus Nazaré. A parábola é desencadeada pela pergunta armadilhada de um “doutor da Lei”. Um intelectual da época vendido ao poder de turno e que o reforça. O poder seria sempre de perna curta, quase inonfensivo, se os intelectuais fossem orgânicos e maiêuticos com as maiorias. Seriam maiorias esclarecidas, politicamente mobilizadas. Preferem, como o “doutor da Lei” da narrativa lucana, ser intelectuais-judas que, em cada tempo e lugar, se vendem ao poder por 30 dinheiros. Muita erudição, muito discurso, nenhuma Sabedoria, nenhuma humanidade praticada. Daí a pertinente questão: dos bandidos políticos – hoje, o G7 – pode vir salvação? Os povos que recorrem a eles por lã (= ajuda económico-financeira) não saem mais tosquiados-endividados, como está a acontecer com a Grécia e Portugal?

10 Junho 2015

 

Leave a Reply