As taxas de juro negativas estão a ameaçar as caixas de aforro na Alemanha, por TOMAS HIRST

Falareconomia1

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

As taxas de juro negativas estão a ameaçar as caixas de aforro na Alemanha

Negative interest rates are hammering Germany’s savings banks

TOMAS HIRST

texto3_imagem_1

Legenda A Chanceler Angela Merkel profere um discurso na reunião anual da Associação das Caixas de Aforro na Alemanha, em Dresden, 25 de Abril de 2013.

 

A rede alemã de Caixas de Aforro das economias regionais, a Sparkassen, faz uma vez mais inveja aos seus parceiros europeus como uma forma de garantir o investimento em empresas locais. No entanto, a decisão pelo Banco Central Europeu (BCE) para deixar descer a taxa de juros paga sobre depósitos para território negativo está agora a provocar sérios problemas para o modelo.

Em Junho de 2014, o Banco Central Europeu (BCE) decidiu cortar na sua taxa de depósito (a taxa de juros que o BCE paga sobre as reservas detidas pelo banco central) para (-0.10%) . Em Setembro, esta mesma foi cortada novamente e agora para   (-0.20%) .

A teoria era que carregar sobre os bancos pela sua manutenção de dinheiro junto do banco central iria forçá-los a procurar melhor retorno noutros lugares, através de investimentos em activos produtivos na União Monetária ou então transferir o seu dinheiro para activos seguros no exterior. No primeiro caso, o investimento produtivo adicional ajudaria a aumentar directamente o crescimento, enquanto que no segundo caso as saídas de capital ajudariam a enfraquecer a moeda e a aumentar a competitividade das exportações da região — o que também melhoraria as suas perspectivas de crescimento.

Infelizmente, apesar do euro ter enfraquecido substancialmente contra outras principais moedas desde Junho do ano passado, as taxas negativas começaram a ter efeitos menos benéficos sobre as Caixas de Aforro da Alemanha. Enquanto as taxas de juro mais baixas foram bem sucedidas em fazer descer o custo dos empréstimos, estas mesmas taxas têm tido muito menos sucesso na redução do custo de financiamento para as instituições financeiras.

Ou seja, os juros com que estes bancos podem sobrecarregar os empréstimos que estão a conceder às empresas tem caído muito mais rapidamente do que as taxas de juros que estão a ter de pagar pelo dinheiro fornecido pelos depositantes. Aqui está o gráfico principal fornecido pela Agência de Rating Moody’s:

texto3_imagem_2

Moody’s Taxas de juros sobre empréstimos concedidos vs as taxas de juros sobre os depósitos.

 

A maioria dos bancos comerciais têm um pool diversificado de financiamento que inclui dinheiro emprestado de outros bancos, bem como depósitos. No entanto, o Sparkassen depende muito mais da poupança dos seus clientes. Como sublinha a agencia de rating Moddy’s   os depósitos  garantem ” cerca de 74% dos activos totais do sector de € 212 mil milhões a partir do final de 2014″.

Isto significa que as Caixas de Poupança não estão dispostas a deixar cair as taxas de juros que pagam aos seus aforradores com o medo de provocar uma fuga de depositantes e perderem a sua fonte de financiamento. Eles também são incapazes de aumentar a taxa de juros para os seus mutuários, porque isso os tornaria então pouco competitivos contra outros credores potenciais (tal como é sugerido pela diferença entre a taxa de juros em negócios existentes contra a taxa de juro sobre novas actividades).

Isto, no entanto, está a pesar na sua rentabilidade com o spread entre a taxa de juros médias que são pagas sobre empréstimos para novos negócios e a taxa de depósito a cair de 2,6% em2007 para 0,5% no ano passado. Se esta tendência continuar em 2015, como parece altamente provável, esses bancos irão começar a luta para conseguirem ter lucro e podem exigir apoio do estado alemão, se esta situação continuar nestes moldes. .

O escritor sobre finança Frances Coppola avisou em 2012:

“Então o resultado final de uma política completa de taxas negativas seria um sistema de recapitalização do sistema bancário, financiado totalmente pelo Estado e com o risco de empréstimos ser suportado pelo Estado.”

Para as Caixas de Poupança da Alemanha es momento pode estar assustadoramente muito próximo.

Read more: http://uk.businessinsider.com/german-bank-profits-squeezed-due-to-ecb-negative-rates-2015-2#ixzz3WlDnebDz

 

 

Leave a Reply