INICIATIVA INATEL “MOSTRAI – DIAS DE CULTURA 2015”, DIAS 25 E 26 DE JULHO NO TEATRO DA TRINDADE

A Fundação INATEL tem pautado a sua intervenção na área cultural pelo apoio e incentivo às práticas culturais tradicionais.

11722297_1054473704574076_7964863927613558272_o
No MOSTRAi – DIAS DE CULTURA 2015 são levados ao palco do Teatro da Trindade, em Lisboa, trabalhos desenvolvidos por Associações (CCDs INATEL) com atividade nas áreas de Teatro, Música, Cinema, Artes e Culturas Tradicionais.

Trata-se de uma forma de reconhecimento da sua dedicação à Cultura, numa manifestação de diversidade e qualidade das produções de amadores em Portugal.

25 JULHO – TEATRO

21h30 – “No dia em que te foste, arranquei o meu coração e dei-o a comer aos porcos” 2015 (55’)

de Paulo Jorge Rodrigues de Freitas vencedor do Concurso Inatel /Novos Textos 2014  Prémio Miguel Rovisco.
Produção: Teatro de Carnide

Valorizar o texto – esse é o principal objetivo. O texto tem que estar acima de tudo. O texto tem que brilhar. Todo o resto surge em função do texto; uma atriz com o seu corpo, a sua voz, e as suas emoções para fazer viver o texto; objetos e materiais que reforçam o texto; luzes para iluminar o texto; música para deixar respirar o texto. Encenar “No dia em que te foste, arranquei o meu coração e dei-o a comer aos porcos” de Paulo Freitas, não foi difícil porque é um bom texto. Dirigir a Sofia Ângelo não foi difícil porque é uma boa atriz. Trabalhar com o João Rafael Silva no desenho de luz não foi difícil porque nunca foi difícil. Entender-me com o Lautaro sobre a estética musical não foi difícil porque nos conhecemos como pai e filho. Ensaiar sob a asa protetora do Teatro de Carnide não foi difícil porque me sinto em casa.  A possibilidade de pôr em cena o texto vencedor do Concurso de Dramaturgia INATEL 2014, surge como consequência do prémio Ruy de Carvalho para melhor produção teatral do Concurso Nacional de Teatro (FPT/INATEL) atribuída ao Teatro de Carnide pelo nosso espetáculo Macbeth. Bem-vindos aos desafios. Bem-vindos aos prémios que nos premeiam com outros trabalhos, porque trabalhando vamos crescendo.

Ficha técnica
Texto: Paulo Freitas | Encenação: Claudio Hochman | Assistência de Encenação: Tiago Costa | Interpretação: Sofia Ângelo | Música original: Lautaro Hochman | Design gráfico: José Elpídio
Desenho de Luz: João Rafael Silva | Operação técnica: Afonso Santos, Pedro Rosa | Produção executivo: Rita Martins, Margarida Barata | Produção: Teatro de Carnide (99ªprodução) | Agradecimentos: Estagiárias da Escola Secundária Eça de Queirós (Cristina Carvalho, Cristina Fernandes e Rute Lopes), Estagiário IEFP (Luís Melo)

 26 JULHO – MÚSICA E ARTES TRADICIONAIS 

17h – Banda Musical Gouveense Pedro Amaral Botto Machado (40′)

Alinhamento
1 – Grand March – Soichi Konagaya (05:00)
2 – Enrique Lopez – Antón Alcalde Rodríguez (05:00)
3 – Armenian Dances – Alfred Reed (11:00)
4 – Undertow – Jonh Mackey (05:25)
5 – Lusitanidades – Carlos Marques (12:00)

17h50 – Orquestra de Harmónicas de Ponte de Sôr (40′)

Duração: 40 min. (aproximadamente)

Alinhamento
1 – Dia da Espiga (autores: João R. Coelho e João Silva Tavares)
2 – A Mula (várias nas quais A Mula do autor Max)
3 – Figueira da Foz (Carlos M. Nobre de Sousa /António Sousa Freitas)
4 – A Rosa que te dei (José Cid)
5 – O Passarinho da Laurindinha (várias)
6 – Canção do Mar (Frederico de Brito e Ferrer Trindade)
7 – Alcobaça e Nazaré (Popular)
8 – Júlia Florista (Joaquim Pimentel e Leonel Vilar)
9 – Cinderela (Carlos Paião)
10 – Coimbra (Raul Ferrão)
11 – Lisboa Menina e Moça (Ary dos Santos e Paulo de Carvalho)
12 – Rapsódia Popular (várias)

Leave a Reply