EDITORIAL – MAIS UMA CALINADA DO MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL

Falou-se, e com indignação, da medida anunciada relativa às exigências paralogo editorial que certas doenças pudessem ser contempladas nas reformas por invalidez. Agora, ficámos a saber que a “Comissão Especializada”, cujo parecer levou à nova lei, é o que poderemos chamar de “fantasma”, parecer que continua sem ser conhecido, assim como os nomes dos ilustres cérebros que a constituíram. O resultado é que, a partir de Janeiro, apenas os pacientes de doenças que “se preveja evoluir para uma situação de dependência ou morte num período de três anos” terão acesso à pensão de invalidez pelo regime especial.

Um assunto que deveria ser de índole pessoal e privado – a perspectiva da morte em breve – torna-se assim, por obrigatoriedade de lei, um assunto público e partilhado com quem não interessa, com quem nada vai poder ajudar na partilha da dor. O que vai contra o código deontológico das Ordem dos Médicos, se seguirem o que ela lei vem agora impor.

As organizações de doentes nestas situações têm comentado a injustiça e considerado que, a assim ser, só os doentes mesmo em “estado vegetativo” poderão ser abrangidos, os doentes completamente dependentes ou a morrer. Ficarão de fora todos os outros que deixarão de receber apoio social e terão que ir trabalhar desde que se consigam mexer…

 

1 Comment

  1. Só quem não conheça o cavalheiro que foi ministro da saúde – um tal Macedo – é que pode estranhar legislar-se com tanta animalidade.CLV

Leave a Reply