CASA DA ACHADA – CENTRO MÁRIO DIONÍSIO – INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO: LISBOA ACIMA, LISBOA ABAIXO – O TERREIRO DO PAÇO É UMA PRAÇA OU UMA MANEIRA DE PENSAR? – COLAR, PINTAR, TRANSFORMAR – NO CAMINHO DO CASTELO – O 25 DE ABRIL NA CASA DA ACHADA

23 a 25 de Abril de 2016

Sábado, 23 de Abril, 16h

Uma cidade como que «sentada à beira do tempo», semelhante a nenhuma outra na Europa, uma cidade à parte, ambientes macios, uma vida.

História, terramoto, Revolução.

Uma cidade sensível, que, como a água a dormir, esconde a sua memória. A luz dos azulejos de um azul celeste como grafitis eternos.

Pode dizer-se de Lisboa tudo e o seu contrário. Os habitantes dirão muito menos. Então vamos ler a cidade: a arte de nela morar e de a compreender.

Pela escrita, pelo desenho ou a pintura mural.

Lisboa causa espanto. Os habitantes pensam assim, é a cidade que o faz. Daí este caminhar, este itinerário entre a discrição de uns e a complexidade do conjunto.

Autores da exposição: Jean-Luc Le Douarec, francês, jornalista (textos); Alain Campos, francês, pintor (imagens).

Após a inauguração, conversamos com os seus autores sobre os porquês da exposição e o seu olhar de Lisboa. Afinal, em que consiste ler uma cidade?

* conversa com tradução simultânea

Domingo, 24 de Abril, 15h

«250 anos depois, a Praça do Comércio está intacta e os arquitectos e os sucessivos presidentes da câmara de Lisboa nunca souberam verdadeiramente o que fazer dela. É uma praça parecida com um jardim à francesa donde se teria tirado o jardim. Boa sorte para os futuros paisagistas desta praça!» – lê-se e vê-se na exposição «Lisboa acima Lisboa abaixo / Lisbonne, lecture d’une ville». A compreender e a discutir com o autor, Jean-Luc Le Douarec, nesta conversa.

Domingo, 24 de Abril, 18h

Que razões ou vontades nos levam a pintar muros ou fachadas de prédios, a colar papéis nas paredes, nas esquinas? Que necessidade é essa que sentimos de transformar o espaço público ou de pôr a arte que fazemos na rua? Para esta conversa, convidámos pintores e grafitters com experiências diversas e um estudioso da arte urbana: Alain Campos, Boss, Hervé Di Rosa, Pedro Soares Neves e Samantha Muleca.

* conversas com tradução simultânea

  Segunda-feira, 25 de Abril, 11h

Vamos fabricar a afixar pelas ruas montagens ligadas à exposição «Lisboa acima Lisboa abaixo / Lisbonne, lecture d’une ville» com o pintor Alain Campos. O ponto de encontro na Casa da Achada às 11h.

O 25 DE ABRIL
NA CASA DA ACHADA

Segunda-feira, 25 de Abril, 18h30

Encontramo-nos na Casa da Achada ao fim da tarde para comer, beber, conversar e cantar. O Coro da Achada preparou uma apresentação propositadamente para este dia.

Tragam comida para partilhar!

A CASA DA ACHADA VAI ESTAR ENCERRADA NA 5ª E 6ª FEIRA.
ABRIMOS NO SÁBADO PARA INAUGURAR A NOVA EXPOSIÇÃO.

EM QUALQUER DIA, COM MARCAÇÃO, É POSSÍVEL CONSULTAR:

  • CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO
    Constituído pelo arquivo de Mário Dionísio e pela sua biblioteca e de Maria Letícia Clemente da Silva (mais de 6000 volumes e mais de 200 publicações periódicas).
    O catálogo pode ser consultado na internet, aqui.

QUEM QUER EXPERIMENTAR TEATRAR?

  • GRUPO DE TEATRO DA ACHADA
    Quem quer experimentar usar a voz e o corpo para dizer coisas com ou sem palavras? O grupo, com F. Pedro Oliveira, ensaia habitualmente todas as terças-feiras às 21h. É só aparecer e participar.

QUEM QUISER E PUDER PODE AJUDAR A CASA DA ACHADA:

 

Contactos

Morada Casa da Achada – Centro Mário Dionísio
Rua da Achada, 11, R/C
1100 – 004 Lisboa (ver localização)
Telefone 218 877 090
E-mail Casa da Achada
casadaachada@centromariodionisio.org
E-mail Livraria
livraria@centromariodionisio.org
E-mail Distribuição de Edições
livros@centromariodionisio.org
NIB NIB para donativos e pagamento de quotas
0036 0000 9910 5869 2830 8
Equipa de Comunicação Web

 

E-mail André Spencer e F. Pedro Oliveira

web@centromariodionisio.org

Leave a Reply