NESTE DIA, 16 de JULHO de 1916, nasceu MÁRIO DIONÍSIO – Leia “MÁRIO DIONÍSIO, CULTOR DE IMAGENS”, de MARIA ALZIRA SEIXO.

(1916 - 1993)
(1916 – 1993)

Obrigado a Maria Alzira Seixo e à Casa da Achada/Centro Mario Dionísio, a cujo site fomos buscar este texto.

Sobre a Prosa de Mário Dionísio] Centro Mário Dionísio

Mário Dionísio, cultor de imagens

 

A obra de Mário Dionísio, pintor e escritor, está toda ela articulada por um princípio interior de coerência, de carácter estético-ideológico, que importaria estudar de modo atento e desenvolvido para uma melhor compreensão da cultura portuguesa das três décadas anteriores à revolução de Abril e, sobretudo, para que pudesse emergir em toda a sua complexidade o pensamento e orgânica composicional que a caracterizam. De facto, é possível postular que a sua obra pictórica desenvolve preceitos de intencionalidade que não se afastam muito dos da obra literária e, nesta, a relação com o ensaísmo é em muitos casos evidente, sobretudo se considerarmos o seu romance Não há Morte nem Princípio, onde a componente reflexiva faz directamente parte da urdidura ficcional do texto, ou, na proporção inversa, se pensarmos no seu ensaio a muitos títulos determinante, A Paleta e o Mundo, que tem um alcance que em muito ultrapassa o domínio das artes plásticas para ser uma longa, informada, completa e original meditação sobre as condições e a natureza da criação artística de uma maneira geral. Penso mesmo que se trata de um texto essencial no que respeita à consideração da problemática da evolução do modernismo para a contemporaneidade na cultura portuguesa, e que certos aspectos que parecem hoje estranhos na maneira nacional de lidar com a sensibilidade pós-moderna estão, de certo modo, contidos em reflexões e em perplexidades aí equacionadas pelo autor.

Continuar a ler em:

http://centromariodionisio.org/maria_seixo.php

2 Comments

  1. Com os meus agradecimentos e desculpas comunico que desejo cancelar a receção, desde já, de todos os e-mails da “Viagem dos Argonautas” Cumprimentos de José Lucena

Leave a Reply