ODE AO FUTEBOL, de TÓSSAN – interpretação de CARLOS CARRANCA e CARLA GARCIA

Imagem1

(1918 - 1991)
(1918 – 1991)

 

 

 

ODE AO FUTEBOL

 

Rectângulo verde, meio de sombra meio de sol

Vinte e dois em cuecas jogando futebol

Correndo, saltando, ziguezagueando ao som dum apito

Um homem magrito, também em cuecas

E mais dois carecas com uma bandeira

De cá para lá, de lá para cá

Bola ao centro, bola fora.

Fora o árbitro!

E a multidão, lá do peão

Gritava, berrava, gesticulava

E a bola coitada, rolava no verde

Rolava no pé, de cabeça em cabeça

A bola não perde, um minuto sequer

Zumbindo no ar como um besoiro,

Toda redonda, toda bonita

Vestida de coiro.

O árbitro corre, o árbitro apita

O público grita

Gooooolllllooooo!

Bola nas redes

Laranjadas, pirolitos,

Asneiras, palavrões

Damas frenéticas, gordas esqueléticas

esganiçadas aos gritos.

Todos à uma, todos ao um

Ao árbitro roubam o apito

Entra a guarda, entra a polícia

Os cavalos a correr, os senhores a esconder

Uma cabeça aqui, um pé acolá

Ancas, coxas, pernas, pé,

Cabeças no chão, cabeças de cavalo,

Cavalos sem cabeça, com os pés no ar

Fez-se em montão multidão.

E uma dama excitada, que era casada

Com um marinheiro distraído,

No meio da bancada que estava à cunha,

Tirou-lhe um olho, com a própria unha!

À unha, à unha!

Ânimos ao alto!

E no fim,

perdeu-se o campeonato!

Tóssan

2 Comments

  1. Fico feliz por a “Viagem” não ter esquecido o Tossan. Um talento imenso e inesgotável espalhado por todos os azimutes. Foi um grande Amigo com quem tive o prazer de privar anos e anos seguidos. CLV.

    1. Fui Amiga do Tossan, da Manela, a esposa e outra família perto de Faro. o Tossan tinha poemas (adorava brincar com a Arte) escritos num misto de francês e português, e certa noite em Faro, disse-me alguns no Jardim da RIA,face à DOCA. Mas gostaria de os ler e escritos nunca os vi.
      Sabe de alguma possível escrita de tais Poemas?
      Agradeço a atenção dispensada.
      Marilia Gonçalves-Poeta del Mundo

Leave a Reply