OS ESTADOS UNIDOS E O NEOCONSERVADORISMO – O LEGADO DE OBAMA: O QUE É QUE DE FACTO ACONTECEU? – por RODRIGUE TREMBLAY – II

usa_map_flag

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 cp5

O legado de Obama: o que é que de facto aconteceu?

Barack Obama’s Legacy: What Happened?[1]

RODRIGUE TREMBLAY, 30 de Maio de 2016

(continuação)

A destruição das nações independentes como o Iraque, Líbia e Síria e o agravamento do caos no Médio Oriente.

Na medida do envolvimento dos EUA no Médio Oriente está em causa, o presidente Barak Obama não rompeu, substancialmente, com as políticas imperiais de inspiração. Neoconservadora  da administração de George W. Bush.

Às vezes argumenta-se que a decisão do presidente Obama de retirar as tropas americanas do Iraque, em 2011, marcou uma ruptura com a administração anterior. Na verdade, a administração Bush-Cheney já tinha decidido essa retirada em 2008. Quando o governo iraquiano se recusou a conceder imunidade legal para as tropas americanas en país naquele pais.

Ao supervisionar a retirada das tropas do Iraque, a administração Obama estava simplesmente a aplicar o Status of Forces Agreement (SOFA) que tinha sido assinado anteriormente pelo governo dos EUA e pelo governo iraquiano para esse efeito. Segundo o acordo, as tropas norte-americanas em luta tinham que estar fora do Iraque até 31 de Dezembro de 2011.

Com uma ou duas exceções mencionadas acima (o acordo com o Irão e a normalização das relações com Cuba), o presidente Obama não deixou de abraçar uma solução militar para servir as muitas narrativas dos .neoconservadores no Médio Oriente e noutros lugares.

Na verdade, pode-se dizer que o presidente George W. Bush destruiu a região do Iraque, o presidente Barack Obama, com suas políticas e medidas, na maioria das vezes sem o apoio do Congresso, destruiu dois -outros países do Oriente Médio, ou seja, Líbia e Síria, enquanto estendeu a missão militar americana no Afeganistão ao memso tempo que apoiava um aliado embaraçoso, a Arábia Saudita, na destruição do Iêmen.

Estes países não eram nenhuma ameaça para os Estados Unidos. Mesmo que o presidente Obama tenha sido premiado com o prémio Nobel da Paz, ele não era um presidente da Paz , muito longe disso mesmo. Com a sua administração, foi muito mais do mesmo e muito longe do que prometeu durante a sua campanha em que pretendia “mudar as coisas em Washington, DC”

Sob o manto do combate ao terrorismo, e para desestabilizar, dividir e provocar as “mudanças de regime” na Líbia e na Síria, por exemplo, os Estados Unidos – mas também os países europeus como a França eo Reino Unido, os principais membros da NATO- baseou-se em operações secretas para apoiar mercenários estrangeiros e terroristas de grupos islâmicos nestes países, dando-lhes armas e apoio logístico, e incitando-os a derrubar os governos estabelecidos.

Graças à ajuda financeira dada a estes grupos terroristas, especialmente o auto-proclamado Estado islâmico (ISIS) por parte dos países sunitas como a Arábia Saudita, Qatar e Turquia, os neoconservadores pró-Israel, que queria redesenhar o Médio Oriente segundo a sua louca teoria do “caos construtivo”conseguiram ir para lá dos seus sonhos, gerando-se uma devastadora crise internacional dos refugiados de que os países europeus são, por agora, as principais vítimas das ondas de refugiados resultantes desta política de caos.

De facto, Obama seus assessores  neoconservadores funcionam como estando à cabeça da NATO e, com uma visão maniqueísta do mundo, deveriam ser responsabilizados por uma grande parte destes resultados desastrosos. O caos no Oriente Médio é um fracasso enorme para Barack Obamja mesmo que os neoconservadores da sua administração considerem esta situação de caos por eles fabricada como um sucesso!

De facto, os países do Iraque, Síria e Líbia eram considerados, em diferentes graus, países rivais regionais de Israel, tendo, além disso extensas reservas de petróleo. Além disso, estes últimos países estavam no topo da lista de sete países considerados pelo general Wesley Clark, no final de Setembro de 2001, como sendo os países que o Pentágono planeava atacar e destruir.

A destruição do Iraque pode ser atribuída à administração Bush-Cheney, uma vez que são políticos que utilizaram diferentes subterfúgios para lançar uma guerra ilegal de agressão contra aquele país, em 20 de março de 2003. No entanto, o que é mais surpreendente é o facto de que a administração Obama decidiu seguir a mesma política na Líbia e na Síria. Mais cedo ou mais tarde, Obama vai ter que explicar o porquê.

Presidente Obama colocou-se ao lado da Arábia Saudita e dos países islâmicos nos seus esforços para espalhar o extremismo Wahhabi em todo o mundo

O mundo livre, e sobretudo a Europa Ocidental, está sob a ameaça do mais violento ramo do islamismo, ou seja, o extremismo Wahhabi, uma ideologia theo-fascista, que é promovida pelo Reino da Arábia Saudita e por outros países islâmicos, e que está, numa larga medida, por detrás do terrorismo islâmico global. Em vez de denunciar esta calamidade do século 21, o presidente Obama tirou da cartola a sua maneira de ser subserviente e, até mesmo, da sua capacidade de se curvar face aos líderes da Arábia Saudita durante as várias viagens feitas a este país. A questão tem-se colocado frequentemente: porque é que o presidente Obama tem sido tão acolhedor com a família real saudita, mesmo quando esta o tem publicamente afrontado?

Não há nenhum país no mundo que viole mais abertamente os direitos humanos básicos do que o Reino da Arábia Saudita. Seria de esperar que os Estados Unidos estariam na linha da frente a denunciar tais violações. O Wahhabi, a partir da Arábia Saudita ou de outros países islâmicos têm utilizado as suas centenas de milhares de milhares de milhões de petrodólares na construção de madrassas e de enormes mesquitas em países ocidentais, incluindo nos Estados Unidos, para promover a sua ideologia corrosiva. A administração Obama não levantou nenhuma objecção quando a maior mesquita nos Estados Unidos foi construída, em Lanham, Maryland. É interessante notar que, em 2010, a Noruega se recusou a autorizar a construção de mesquitas no país com dinheiro estrangeiro.

A administração Obama ampliou a política do caos de inspiração neocon para a Ucrânia e Rússia, e refez a Guerra Fria II com a Rússia

Porque é que a administração de Obama se mostra tão ansiosa para começar uma nova Guerra Fria com a Rússia? Vemos aqui outras considerações entre o que o presidente Obama diz e o que ele faz. Para um laureado com o Prémio Nobel da Paz, serão o cerco militar agressivo de um país e o envio de força militar para as suas fronteiras atos de paz ou atos de guerra? Porque é que Obama está a ter este comportamento exatamente para com a Rússia? Porque é que está a arriscar um confronto nuclear com a Rússia? Isso desafia toda a lógica.

A única ponta de lógica para explicar um tão forte belicismo é que isto signifique uma tentativa do governo dos EUA para sabotar qualquer cooperação económica e política entre Rússia e os países europeus, a fim de manter a Europa sob algum tipo de um protetorado americano.

Porque é que o presidente Obama está a seguir um plano dos neocon? Porque é que ele escolheu Ashton Carter como secretário de Defesa, quando este é um bem conhecido falcão da guerra e o principal responsável pelas compras de armamento para o Pentágono e que sabe que quer um confronto militar com a Rússia?

Estas são importantes questões que deveriam ser postas ao senhor Obama, e a fortiori ao candidato presidencial democrata Hillary Clinton tanto mais que esta indicou que iria empurrar no mesmo sentido, se fosse eleita presidente.

Deixem-nos manter presente que, em Fevereiro de 2014, a administração Obama avidamente aproveitou a oportunidade para montar um golpe de Estado na Ucrânia e assim derrubar o governo eleito do país. Obama também armou os golpistas e encorajou-os a cometerem atrocidades contra a etnia russa da população da Ucrânia. Uma tal interferência nos assuntos de outra nação é parte de uma mais vasta política inspirada pelos neoconservadores de militarizar a Europa Oriental sob a cobertura da NATO.

A contribuição pessoal do presidente Obama para a corrida aos armamentos nucleares e para a ameaça de uma guerra nuclear

Mesmo que o presidente Barack Obama tenha prometido um mundo livre de armas nucleares, e apelado, num discurso proferido em Praga em 5 de abril de 2009, “a alcançar a paz e a segurança de um mundo sem armas nucleares” e “a reduzir o papel das armas nucleares na nossa estratégia de segurança nacional “, e novamente em Hiroshima, na sexta-feira 27 de maio de 2016, as suas palavras que não têm sido seguidas por medidas concretas nessa direção. Em vez disso, Obama pareceu satisfeito em ter prosseguido de forma passiva o mesmo programa de “modernização nuclear” que envolveu o desenvolvimento de um novo conjunto de armas nucleares americanas, iniciado sob a anterior administração Bush.

Em 30 de setembro de 2004, o candidato presidencial democrata de então, John Kerry, num debate com o presidente George W. Bush queixou-se de que a administração de Bush estava a “gastar centenas de milhões de dólares na pesquisa de armas nucleares capazes de destruir bunkers. Os Estados Unidos estão a procurar produzir um novo conjunto de armas nucleares. Não faz sentido. O senhor fala sobre mensagens contraditórias. Estamos dizendo às outras pessoas : ‘ os senhores não podem ter armas nucleares ” mas nós estamos a procurar desenvolver uma nova arma nuclear de que poderemos mesmo contemplar a sua utilização”

Numa Nuclear Posture Review on April 6, 2010, a administração Obama parecia repetir o discurso de Kerry e afirmava que os Estados Unidos não iriam “desenvolver novas ogivas nucleares ou prosseguir novas missões militares ou novas capacidades para as armas nucleares.”

Entretanto, o presidente Obama não perdeu tempo em violar a sua promessa de não “desenvolver novas ogivas nucleares” e de “reduzir o papel das armas nucleares na estratégia militar dos EUA”. Em vez disso, ele iniciou o mesmo programa nuclear que, aparentemente, nunca tinha sido interrompido, para desenvolver uma série de novas armas nucleares que as tornava mais aceitáveis em termos de utilização (menores, mais precisas, menos letais), exatamente como a administração II de Bush tinha feito antes. Por outras palavras, Obama preparou os Estados Unidos para se envolver em ” pequenas guerras nucleares ” no futuro. Este é verdadeiramente o seu “legado”!

A nova arma nuclear americano é, como o New York Times relatou, o Modelo 12 B61 uma bomba nuclear testada em Nevada em 2015. Este é o primeiro de cinco novos tipos de ogivas nucleares planeados como parte de um programa de revitalização atómica americana orçado a um custo estimado em US $ 1 milhão de milhões ao longo de três décadas. É mesmo muito para “um mundo sem armas nucleares”!

Internamente, as desigualdades de rendimento e de património, a riqueza, têm estado continuamente a aumentar e a atingir níveis elevadíssimos, e de igual modo a pobreza tem aumentado fortemente sob a administração Obama

Em 20 de Janeiro de 2014, uma sondagem da Gallup descobriu que dois terços dos americanos estavam insatisfeitos com a forma como os rendimentos e a riqueza são distribuídos nos EUA. As pessoas são vagamente conscientes de que há algo fundamentalmente errado com a forma como o sistema económico funciona, e eles têm o direito de pensar que a economia é manipulada contra os interesses da maioria da população e em favor de interesses especiais [que a esta maioria são externos].

De acordo com um estudo recente de Pew Research Center sobre dados públicos, a classe média americana está a reduzir-se, a sua proporção relativamente ao total de famílias americanas, caindo de 55 por cento em 2000 para 51 por cento em 2014. [NB: Uma família de classe média americana de dois adultos e duas crianças, em 2014, ganhava um mínimo de $ 48,083]. Esta mudança produziu uma onda de descontentamento em todo o país.

O candidato presidencial Donald Trump e Bernie Sanders, em lados opostos do espectro eleitoral, refletem este profundo descontentamento e mesmo uma certa cólera em relação  às políticas económicas e fiscais levadas a cabo pelo governo americano ao longo dos últimos trinta anos.

Na verdade, durante os últimos quinze anos, de 1999 a 2014, o rendimento mediano das famílias americanas globalmente diminuiu em 8 por cento.

– os rendimentos medianos de famílias de baixa rendimento caiu de 10 por cento durante o mesmo período, de 26.373 para 23.811 dólares.

– O rendimento médio das famílias de rendimento médio diminuiu 6 por cento, de 77. 898 para 72.919 dólares.

– E, refletindo as largas desigualdades mesmo entre as famílias de rendimentos mais altos, o rendimento mediano deste grupo também caiu de 7 por cento, mesmo se no conjunto a importância relativa deste segmento dos lares americanos tenha passado de 17 para 20 por cento. O rendimento médio do grupo caiu de 186.424 dólares em 1999 para 173.207 dólares em 2014.

Na verdade, o único segmento da população dos EUA que tem beneficiado com as políticas económicas, financeiras e fiscais dos últimas três administrações (Clinton-Bush-Obama), e as mudanças tecnológicas havidas durante o período, é o escalão mais alto dos rendimentos mais altos.

Os super-ricos são quem se têm apropriado do crescimento económico assim como do progresso técnico verificado, enquanto se aproveitam também e ao máximo das várias brechas fiscais, que levaram a que se tenha reduzido a sua taxa média de tributação de 27 por cento em 1992 para menos de 17 por cento em 2012. De facto, na América os super-ricos ficam cada vez mais ricos e a rirem-se de nós, indo a caminho dos paraísos fiscais!

Há algo de fundamentalmente errado e de corrupto que está a acontecer na economia dos EUA, e, obviamente, a administração Obama tem sido incapaz ou nem sequer teve o desejo de resolver o problema.

(continua)

________

[1] Texto disponível em : http://www.counterpunch.org/2016/05/30/barack-obamas-legacy-what-happened/

________

Para ler a Parte I deste texto de Rodrigue Tremblay, clicar em:

https://aviagemdosargonautas.net/2017/02/19/os-estados-unidos-e-o-neoconservadorismo-o-legado-de-obama-o-que-e-que-de-facto-aconteceu-por-rodrigue-tremblay/

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: