CARTA DO RIO – 144 por Rachel Gutiérrez

A denúncia do Procurador-Geral revela a metástase da corrupção que devastou o Brasil. O sistema político implodiu, fez-se um campo de ruínas. Exacerba-se o desespero dos políticos que, desmascarados, não pensam em nada senão em salvar a própria pele, custe o que custar. Da tentativa de aprovação a toque de caixa de uma autoanistia à adoção do voto em lista fechada para assegurar sua reeleição e foro especial, as tramoias urdidas no Congresso provocam uma sensação de náusea.

Essas palavras são da escritora e acadêmica Rosiska Darcy de Oliveira, em seu artigo deste último sábado para o Jornal O Globo. Traduzem fielmente o que pensa e sente o povo brasileiro.

Ela também escreveu:

A desfaçatez dos políticos à cata de impunidade contém outro imenso risco, o de deixar intactos os múltiplos esquemas de corrupção ainda não alcançados pela Lava-Jato. É provável que o que já veio à tona seja apenas a ponta de um iceberg cuja parte ainda submersa se espraia por todos os níveis da administração pública, estatais fundos de pensão, agências reguladoras, enfim por todo e qualquer espaço em que haja recursos públicos a serem saqueados.

Só o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, ora preso na Penitenciária de Bangu 8, desviou dos cofres públicos mais de 250 milhões de reais!

Por tudo isso, percebe-se que a atmosfera atual do nosso país mostra cansaço, desgaste e desalento.

Com movimento abaixo do esperado, segundo a própria organização, manifestantes se reuniram em várias cidades do Brasil para protestar, neste domingo (26), a favor da Operação Lava Jato e contra a impunidade da classe política.  O povo foi às ruas, como já é habitual, de forma pacífica, sem atropelos nem quebra-quebras como nas manifestações dos movimentos sindicais bancados pelo PT, e num domingo, o que não prejudicou a mobilidade de qualquer trabalhador. A Lava-Jato recebeu apoio em 19 estados. Em Brasília, o enterro simbólico de políticos marcou o ato: Lápides com os nomes de Dilma Rousseff, Aécio Neves, Rodrigo Maia (atual presidente da Câmara dos Deputados) e Eunício de Oliveira,  (presidente do Senado) traziam cruzes e a data – 2018, o que significa que estarão mortos para as próximas eleições. As mais expressivas foram as passeatas de Porto Alegre, Recife, Salvador, Campo Grande, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo e, em todas as de 60 cidades,   “pessoas acima de 50 anos predominaram, e a maior parte dos cartazes trazia palavras de apoio ao Juiz Sérgio Moro, pelo fim do foro privilegiado e contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.” Em verde e amarelo e com cartazes contra a corrupção e pelo fim da  impunidade, o povo já um tanto desalentado encheu uma parede de vidro, em São Paulo, com bilhetes em defesa da democracia. Mesmo em manifestações menores como as de ontem, a inventividade popular parece inesgotável.

De acordo com os jornais, líderes do Movimento Vem Pra Rua e do MBL (Movimento Brasil Livre), que organizaram os atos, elegeram o Congresso Nacional como principal foco das manifestações, como já disse. Ali, políticos dos principais foram os alvos dos protestos. Além do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP), Renan Calheiros (PMDB-AL), Rodrigo Maia (DEM-RJ), Eunício Oliveira (PMDB-CE) e Aécio Neves (PSDB-MG). O presidente Michel Temer sofreu poucos ataques porque a economia vem apresentando sinais de melhora. E o que sempre nos tranquiliza nesse tipo de manifestações convocadas pelas redes sociais é seu caráter pacífico e a naturalidade com que transcorrem. No mesmo dia, ficamos sabendo que em manifestação de protesto na Rússia de Putin (o amigo de Trump), 500 pessoas foram presas, inclusive o líder da oposição. E um dos alvos do protesto de lá foi o primeiro ministro, acusado de enriquecimento ilícito.

Aqui, em seu artigo das segundas-feiras, Ricardo Noblat diz que Dilma Rousseff afundou o país na maior recessão econômica de sua História, dos anos 30 do século passado para cá. Mas tanto ela quanto Lula se dizem de tudo inocentes, perseguidos e injustiçados.

Noblat termina assim seu artigo:

 O que não se sabia com detalhes se torna conhecido com as delações de executivos da Odebrecht. É de arrepiar. Fora da Lava-Jato não haverá salvação. Ou melhor: só haverá se promovermos em 2018 um expurgo político extraordinário que limpe governos, Congresso e Assembleias Legislativas.

Oxalá possamos realmente fazê-lo. Pois, segundo o analista político Murillo Aragão, repetindo o que teria dito Pedro Malan, (ex- Ministro da Fazenda de Fernando Henrique Cardozo): No Brasil, até o passado é imprevisível, imagine o futuro…

3 comments

  1. Maria de sa

    ” *A denúncia do Procurador-Geral revela a metástase da corrupção que devastou o Brasil. O sistema político implodiu, fez-se um campo de ruínas. Exacerba-se o desespero dos políticos que, desmascarados, não pensam em nada senão em salvar a própria pele, custe o que custar”*

    Aqui também temos mulheres deste estofo -Aleluia !

    *Excelente -Maria *

    Gostar

  2. Rachel Gutiérrez

    Correção: Ali, ( no Planalto de Brasília) políticos dos maiores partidos foram alvos dos protestos.

    Peço desculpas.
    Rachel

    Gostar

  3. Rachel Gutiérrez

    Obrigada, Maria de Sá.
    abraço,
    Rachel

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: