A OPINIÃO DE DANIEL AARÃO REIS – A rebeldia das senadoras

 

 

Já dizia um antigo: de um céu azul não relampejam faíscas. A faísca mais recente aconteceu no Senado. Enquanto durou, como imaginou Benjamin, ela iluminou as ruínas de uma República democrática que se desmancha.

O desmanche começou com o não reconhecimento da eleição de Dilma. Desdobrou-se no longo processo que se encerrou com o afastamento da presidente.

Entre a destituição de Collor e Dilma, há notáveis semelhanças: o acionar de um dispositivo constitucional autoritário, o próprio impeachment;  controvérsias jurídicas; desenlaces questionáveis; e  o fato de que os vices não tinham nada a ver com os presidentes impedidos. Mas houve uma grande diferença: em torno de Itamar formou-se largo consenso que permitiu condições para a aprovação do Plano Real. O sucesso acabou consagrando a república da broa.  Já o atual presidente, em nenhum momento dispôs de algo parecido. Temer, com seu ministério de homens investigados, alguns, já encarcerados, nunca reuniu a nação em torno de sua triste e cambaleante figura. Ao contrário, seus desacertos só tem contribuído para aprofundar as múltiplas faces da crise.

Ela tem uma dimensão econômica, reconhecida. Mas problemas econômicos não levam necessariamente a desmanches democráticos. A questão central é a crise de legitimidade em que se encontram as instituições representativas. E ela se agravará com a aprovação apressada de reformas questionadas como antirreformas.  Protegidas pelo fórum privilegiado, as elites  ignoram os clamores da sociedade. Enquanto isto, a ampla maioria do povo não confia nos políticos e começa a desconfiar da política, o que é bem mais grave.

A faísca da rebeldia das senadoras causou escândalo, mas foi controlada. Uma ação típica de desobediência civil, quando se evidencia a descrença no bom funcionamento das instituições. Compará-la a uma ação ditatorial é um contrassenso. A ditadura não ocupou a Mesa, ocupou o Congresso inteiro, com tropas.  A prevalecerem a insensibilidade como norma e o rolo compressor como método, outras faíscas virão. E não é certo que se conseguirá controlá-las com rapidez e segurança. Neste jogo complicado, há um claro perdedor: a democracia. Ela precisa ser aperfeiçoada e não destruída.

Daniel Aarão Reis

Professor de História da Universidade Federal Fluminense

________

Nota de A Viagem dos Argonautas:

Para quem não tem acompanhado a evolução da situação política brasileira, propomos que, em complemento ao texto do professor Daniel Aarão Reis, vejam os vídeos acessíveis clicando no link abaixo:

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-das-dez/videos/v/senado-aprova-texto-base-da-reforma-trabalhista-em-sessao-tumultuada/6001217/

 

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: