SINAIS DE FOGO – SOMOS TODOS JESUS?… – por Soares Novais

 

 

O linguarejar do Jesus causa-me náuseas. O de Jesus e de muitos outros. Como o do Gabriel. Não o “Pensador”, mas aquele que diz coisas tão sábias como esta: “A selecção não jogou nem bem nem mal, antes pelo contrário…” Sabe-se: a terra está recheada de anjinhos, mas é Jesus quem está sentado no trono. Pois só ele é capaz de ordenar: “Vocês os quatro formem aí um triângulo.”

Jesus e Gabriel têm fieis seguidores. Aqueles que nos entram pela casa dentro e aqueles com quem nos cruzamos na rua.  E são cada vez mais. Novos e velhos. Eis um exemplo de um seguidor fiel, o jovem Luz da SIC: “Inácio fechou os olhos e olhou para o céu.” E um outro de um velho papa: “Ele é sem dúvida o melhor guarda-redes do mundo e talvez da Europa.”

Tais frases, ditas por tão altos e sábios dignitários, plasmam o futebolês em todo o seu esplendor. Futebolês que tem cada vez mais espaço no horário nobre das nossas queridas televisões. Resultado: o público da tevê passa os dias a ouvir esse tagarelar. Um tagarelar que assume hoje um papel fulcral na vida daqueles que fazem da caixinha televisiva o altar-mor de todas as certezas e ensinamentos.

Acontece que tal palavrear provoca ondas maciças de imbecilidade e danos cognitivos irreversíveis num cada vez maior número de indivíduos. Mais: formata-os e torna-os meros recipientes onde os mestres do futebolês despejam a sua propaganda ideológica. Uma propaganda ao serviço de uma indústria que paga 220 milhões de euros por um jogador de futebol.  (Num mundo onde 1,2 mil milhões de pessoas vivem com menos de 0,92 euros por dia e 1,5 mil milhões têm um baixo nível de vida, educação e de saúde, sendo certo que há mais 800 mil pessoas que estão prestes a fazer parte deste grupo, segundo o Relatório do Desenvolvimento Humano da Organização das Nações Unidas (ONU) agora divulgado).

Hoje nenhum de nós está a salvo do futebolês. Todos o usam. Presidente da República, primeiro-ministro, ministros, secretários de Estado, presidentes de câmara, candidatos a tudo e qualquer coisa, doutores, professores, licenciados, bancários e operários. Jornalistas. Tantas são as vezes em que,  para dar a ideia de uma tragédia, se socorrem deste chavão: “A área ardida é o equivalente a 11 campos de futebol.”

Ou pior ainda: “A construção do novo hospital vai custar tanto como a construção de todos os estádios do Euro.” Ou seja: para eles o direito aos cuidados médicos e a tragédia social valem tanto como os anfiteatros que o novo-riquismo político mandou construir em 2004 num país onde o salário mínimo só chegará aos 600 euros em 2019.

A Imprensa deixou há muito de narrar e sintetizar as estórias que fazem a História do dia-a-dia. E abandonou por completo o vício de reflectir. Está ao serviço de quem manda e de quem lhe paga. Manipula inocências e consciências. Propagandeia os “feitos” dos indigentes mentais e silencia tudo o que não seja o Pensamento Único. Fá-lo por ordem dos “patrões”, mas também conta com a criminosa conivência daqueles que são escolhidos para dirigir e chefiar redacções despojadas de massa crítica.  A Imprensa quer que todos nós sejamos “Jesus”…

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: