A HUMILHAÇÃO DO HOMEM por Luísa Lobão Moniz

Qual é a coisa qual é ela que mais humilha e vexa um homem?

Não podia ser outra coisa senão a liberdade da mulher.

Casaram, separam-se e a mulher teve outra relação amorosa, ainda casada…

Marido e amante juntaram-se, premeditaram o castigo dado à mulher adultera. Muniram-se de um bastão com pregos, tal era a fúria, e lá descarregaram a suas frustrações de machos “traídos”. Foram traídos e humilhados, e agora? o conhecimento público, a censura social?

Como se sabe a sanção social é de relevante importância para qualquer homem ou mulher. Ninguém pode perder a face.

Violência contra as mulheres é não cumprir a Declaração dos Direitos Humanos, dos Direitos das Mulheres, da Constituição Portuguesa.

Ninguém tem dúvida de que houve um acto de violência contra uma mulher, por dois homens que premeditaram a sua morte. Uma pancada forte na cabeça de alguém com um bastão com pregos inevitavelmente poderia ter levado esta mulher à morte.

Isto não é crime passional, é vingança e poder porque o homem é, ainda, uma espécie de dono das mulheres, podem castigar e até matar.

A ver pelas penas suspensas aos agressores não há dúvida que a vida da mulher é diferente da do homem, vale menos, tem menos liberdade e é mais violentada do que a dos homens…

 O magistrado Joaquim Neto de Moura tem vários acórdãos polémicos em relação às penas aplicadas. Aquele, de que se fala e enche páginas de jornais, teve a ignorância de citar a Bíblia fora de contexto e de misturar religião com Justiça.

Este magistrado confunde violência doméstica com adultério.

Adultério? A palavra adultério foi desaparecendo do vocabulário popular e erudito. A relação extra conjugal ainda é vista como algo condenado pela sociedade e com certa aprovação das consequências.

Através das épocas o adultério foi perdendo a importância de que se revestia, começou por ser merecedor de pena de morte e hoje, apesar dos Direitos das Mulheres e da luta pela igualdade de género, ainda dá alguma satisfação a certos homens e a certas mulheres que têm os pés no século XXI, mas têm os mesmos preconceitos de épocas há muito passadas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: