PELO TEJO VAI-SE PARA O MUNDO, de ALBERTO CAEIRO

(1888 – 1935)

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply