A OPINIÃO DE DANIEL AARÃO REIS – AS ARMAS E AS PALAVRAS

 

 

Ainda era madrugada quando milhares de guerrilheiros surgiram de todas as partes e de parte alguma, dos bueiros das ruas e dos túneis cavados na terra, atacando as principais cidades do país.

No calendário ocidental, aconteceu no dia 30 de janeiro de 1968. No Vietnã, era o primeiro dia do calendário lunar tradicional, feriado nacional. Uma trégua tácita fora estabelecida. Mas foi exatamente neste dia, há cinquenta anos, que se iniciou a chamada ofensiva do Tet. Para os guerrilheiros, uma insurreição geral. Para os seus inimigos, um momento de pânico.

Depois de violentos combates, impôs-se a retirada e o conflito  se prolongaria até 1975, mas ali se tornou claro que os Estados Unidos e seus aliados não venceriam aquela guerra.

A guerra do Vietnã, nos anos 1960, estava em todos os jornais e noticiários de rádio e de televisão. Nos EUA condicionou uma profunda divisão da sociedade. Em todo o mundo, havia os que defendiam  a independência do pequeno país asiático e os que apoiavam a intervenção americana, em nome do anticomunismo. Por outro lado, era também herdeira da revolução chinesa, vitoriosa em 1949. E se inseria num contexto de guerrilhas populares que se espalhavam pela Ásia, África e América Latina, registrando vitórias históricas, como em Cuba, em 1959, e na  Argélia, em 1962.

Embora muito distintas entre si,  estes processos históricos inspiravam-se num paradigma, fundado no curso das guerras civis que ocorreram na Rússia entre 1918 e 1921. Constituíam este paradigma alguns aspectos básicos: a tomada violenta do poder; o esmagamento, pelas armas,  dos inimigos; a instauração de uma ditadura política; e a execução, a partir do Estado, de um conjunto de transformações. Em nome do socialismo ou do nacionalismo, ideias que se entrelaçavam em muitos casos, organizaram-se governos autoritários que, negando na prática os valores democráticos, legitimaram-se através de reformas visando o bem estar da população, a independência nacional e a prosperidade econômica.

O poder nasce da ponta do cano de um fuzil, dizia o líder comunista chinês, Mao Tsé-Tung: as armas precediam as palavras.

Tais referências estiveram presentes nas lutas dos anos 1960 e, em especial, no ano emblemático de 1968. As guerrilhas urbanas e rurais,  a proposta  de luta armada contra as ditaduras conservadoras ou contra invasores estrangeiros  reiteravam a cultura política de regimes revolucionários ditatoriais. Quando conclamou a que se criassem “dois, três…muitos  Vietnãs”, o Che Guevara ecoava estas orientações e se fazia seu intérprete destacado. Como tantos outros, arriscou a vida, e a perdeu, destemido,  lutando por suas ideias.

No entanto, ao longo destes anos quentes, e também em 1968, surgiu, embora  de modo embrionário e   tateante, um outro paradigma de mudança social. Apareceu nas  lutas de estudantes, de mulheres, de muitos que reivindicavam a ampliação dos direitos democráticos, a elaboração de novos direitos,  identitários (negros, indígenas, entre outros) ou direitos a exercer plenamente suas  opções sexuais (movimentos gays) ou comportamentos sociais considerados desviantes (experiências com substâncias que ampliavam as possibilidades da percepção humana) ou  construir, em comunidades,  modelos alternativos de vida.

No âmbito deste novo paradigma, a luta pelo poder político já não era central, nem mesmo considerada indispensável. Tratava-se, antes e acima de tudo, de conquistar espaços de liberdade, criticando-se aí tendências autoritárias fossem elas quais fossem. O prioritário era persuadir as gentes, numa perspectiva a longo prazo e no contexto de transformações moleculares. O recurso à violência e os governos autoritários cediam lugar a uma perspectiva também revolucionária, mas de outra natureza, baseada na ampliação da democracia, que era urgente valorizar e aprofundar.

O interessante – e revelador – é que tais propostas foram  ignoradas, rejeitadas e mesmo reprimidas não apenas pelos governos de direita, mas também pelas forças tradicionais de esquerda, no poder ou na oposição. Tanto os governos conservadores, nos EUA e na Europa, quanto as ditaduras políticas de esquerda (URSS, Cuba e China), configurando-se como forças frias, esmeraram-se em liquidar os movimentos renovadores dos anos 1960.

Conseguiram derrotá-los. Mas não os venceram. Atestam-no o vigor atual deste novo paradigma. Enquanto a guerra do Vietnã, vitoriosa, em 1975, tendeu a aninhar-se no passado, não abrindo perspectivas de futuro, os chamados novos movimentos dos anos 1960 continuaram, nas décadas seguintes,  assumindo protagonismo relevante. Neles não são mais as armas que dão o tom,  as palavras é que, agora,  subordinam as armas. A catástrofe violenta, substituída pela persuasão e pela valorização da democracia.

Não seria  este  o melhor e mais fecundo legado dos anos 1960?

Daniel Aarão Reis

Professor de História Contemporânea da UFF

Email: daniel.aaraoreis@gmail.com

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: