RONALDO WERNECK – HÁ CONTROVÉRSIAS – RUBENS GERCHMAN: LÁ SE VÃO DEZ ANOS – A MULTIDÃO EM GERCHMAN

Esta semana, a publicação em meu blog do texto sobre Anna Maria Maiolino me levou ao artista plástico carioca Rubens Gerchman (Rio, 1942), com quem ela foi casada. Lembrei-me que esta é uma data redonda, pois completaram-se há poucos dias 10 anos de sua morte (São Paulo, 29 de janeiro de 2008). E 25 anos da grande instalação denominada “Clorofila”, que montou no foyer do Centro Cultural Banco do Brasil em 1993. Em sua homenagem, publico em meu blog o texto que escrevi na época sobre ele.

Influenciado pela arte concreta e neoconcreta, Rubens Gerchman foi um dos nomes mais importantes da nova figuração e da pop art no Brasil. O artista pintou cenas urbanas bucólicas e – contaminado pelo universo da cultura de massa – fez quadros retratando as multidões e o mundo impresso nas páginas dos meios de comunicação.

Em 1989, escrevia o crítico Wilson Coutinho: “Será praticamente impossível pensar plasticamente o Rio de Janeiro deste século sem que uma imagem criada por Gerchman não intervenha, não crie um ponto de referência, um elo imaginário com a cidade. Desse modo ela é mais do que um evento puro das artes visuais; ela é um acontecimento da socialidade urbana”.

Vejam em meu blog, link a seguir, o texto “A multidão em Gerchman”.

https://ronaldowerneck.blogspot.com.br/2018/02/a-multidao-em-gerchman.html 

***

A MULTIDÃO EM GERCHMAN

É como se fosse uma sinfonia, em quatro movimentos que se interpenetram: Povos da Floresta, Bichos da Floresta, Sonho Brasileiro e Clorofila. Obra-síntese, o imenso painel circular de 25×5 metros montado por Rubens Gerchman no Foyer do Centro Cultural é um caleidoscópio dos ícones por onde o homem comum transita atônito, entre o nada e o nada mais que isso.  Sustentada por uma estrutura metálica semicircular, Clorofila é uma instalação pictórica que obriga o visitante a mergulhar na multidão retratada, envolvendo-o em gestos e cores, rostos e silhuetas de um Brasil imaginário e paradoxalmente amarrado no real.

A multidão é um tema cíclico no fabulário iconográfico de Rubens Gerchman. Rostos desconhecidos, imagens extraídas do noticiário dos jornais, ou dos porões da repressão, o povo explode na tela como quem acusa. Up-to-date com seu tempo, Gerchman revê o cotidiano com um olhar entre o kitsch & o crítico, misto de mau-gosto & concreto malarmado.

Esta obra anuncia & denuncia um mini-universo violentamente ampliado, gráfico & textual, à semelhança de assinaturas antes patenteadas pelo RG de Gerchman, como Lindoneia (que acabou musa do tropicalismo, via Caetano Veloso) ou Tarsilú, retomada da “Negra” de Tarsila com a Lou-Mona Lisa, Barba Azul às avessas, sacada das páginas policiais.

Clorofilaé um painel que instaura a inquietação, gatilho da verdadeira arte, que é detonado pela vida. Gerchman com a palavra: “O que a meu ver caracteriza o homem moderno é a multidão. Acredito que a minha principal responsabilidade é a de dizer: quero pessoalmente uma arte de conteúdo em que o homem seja sempre medida”.

 

Ronaldo Werneck

CCBB/Rio, 1993

16 a 28 de junho

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: