CARTA DE VENEZA – APESAR DE TUDO – por Vanessa Castagna

O estabelecimento prisional feminino da ilha da Giudecca continua a destacar-se positivamente a nível nacional e fá-lo agora, em particular, na sequência de um workshop que envolveu o autor e cantor milanês Jack Jaselli. O projeto tem como resultado uma música escrita em conjunto com 37 detidas do estabelecimento prisional veneziano, que foi apresentada no passado 16 de março, e um documentário que será transmitido nos próximos dias por uma emissora nacional. O título de ambos é Nonostante tutto (“apesar de tudo”) e o tema de que tudo parte é o da liberdade, a que cada participante associou uma palavra: filosofia, infinito, esperança, asas, porta aberta, carta…

A sede da casa de reclusão feminina da Giudecca é um antigo mosteiro, fundado no século XII, com uma superfície total de quase 4 000 m2, embora uma parte da área coberta não se encontre atualmente aproveitada por estar a aguardar intervenções de recuperação. Foi em 1859 que o governo austríaco promoveu a abertura de um estabelecimento prisional feminino em Veneza e escolheu para esse efeito o que então era conhecido como Convento das Convertidas, que desde 1611 acolhia ex-prostitutas.

Apesar dos elementos de criticidade que não deixam de existir, este estabelecimento parece distinguir-se dos outros porque quase todas as detidas trabalham, porque existe uma área especial para as mães que podem cuidar dos filhos até aos 6 anos de idade e porque é exclusivamente feminino. Os estabelecimentos prisionais italianos exclusivamente femininos são apenas cinco, sendo que, em Itália, apenas 4% dos detidos é constituído por mulheres e na maior parte dos casos estas se encontram em secções isoladas de penitenciárias masculinas, com tudo o que isso implica em termos de falta de acesso às estruturas comuns para praticar exercício físico e atividades desportivas, para receber formação, estudar e, sobretudo, poder trabalhar.

Na sua maioria as detidas da Giudecca, pelo contrário, estão ocupadas em tarefas internas, trabalhos de manutenção e outras atividades que também se prendem com as necessidades do setor do turismo. Há uma lavandaria, uma casa de costura, um laboratório cosmético e uma linda horta. Diversas cooperativas organizam o trabalho e possibilitam o contacto com o resto da cidade, através da comercialização dos produtos criados e cultivados dentro do perímetro prisional. Por exemplo, às quintas-feiras de manhã é possível comprar legumes à porta do estabelecimento prisional, ou encontrar a roupa costurada pelas detidas na loja Banco Lotto Nº10 no sestiere de Castello. Vale a pena ir espreitar.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: