AINDA SOBRE A ESCALADA DA GUERRA FRIA, UMA NOVA SÉRIE DE TEXTOS – TEXTO Nº 6. TUDO CONTINUA A MUDAR SOBRE A NARRATIVA ACERCA DE SKRIPAL EXCETO “FOI A RÚSSIA QUE SEGURAMENTE FEZ ISSO”, de CAITLIN JOHNSTONE

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

Tudo continua a mudar  sobre a narrativa acerca de Skripal exceto  “foi a Rússia que seguramente fez isso”

Caitlin Johnstone, Everything Keeps Changing About The Skripal Narrative Except “Russia Definitely Did It”

 Medium.com, 4 de Abril de 2018

As notícias mais recentes e mais postas em relevo sobre o caso Skripal tem agora a ver com a ideia de que a fonte do alegado envenenamento por Novichok podem ter sido uns cereais trazidos por um amigo da família que trabalha para uma grande empresa médica russa, mandando-os para o hospital assim como, por algum motivo, a um sargento da polícia. Menos de 24 horas antes, tínhamos sido  informados que o agente neurotóxico Novichok era realmente o responsável e que tinha sido introduzido pela maçaneta da porta da frente, e, segundo o New York Times, teria sido uma operação que “é vista como tão arriscada e sensível que é improvável que tenha sido realizada sem a aprovação do Kremlin. “

Tudo  isto significa  seguramente, na questão Skripal, que estamos perante um caso cheio de  buracos e é assim  desde que a história começou, uma situação que tem  sido notícia   através de uma barragem sem fim de histórias contraditórias que estão sempre a mudar e sobre as quais não é apresentado nenhum detalhe seja a que nível for, exceto que se apresenta sempre a certeza absoluta de que foi a Rússia que definitivamente  o fez.

Disseram-nos que o Novichok foi colocado  na mala de Yulia Skripal.  Foi-nos dito que foi administrado pelos ventiladores no seu carro. Disseram-nos que foi entregue por um drone miniatura armado. Disseram-nos que o Novichok tinha sido colocado através da maçaneta da porta de entrada da sua casa.. Agora é ou a casa ou o cereal de trigo sarraceno, dependendo do que é que se está a ler.

Nada sobre os relatórios deste caso é consistente, exceto pela insistência inflexível em todos e em cada um deles na certeza de que o veneno foi aplicado pelo  Kremlin. Desse modo, os funcionários da Grã-Bretanha têm toda a certeza de que a expulsão mundial de diplomatas russos decidida pelos  aliados do Reino Unido é inquestionavelmente o movimento certo para gerar  um ambiente de guerra fria cada vez maior. Se o leitor  discordar e pensar sobre isso, então o leitor  é claramente um palhaço nas  mãos dos russos e deve ser pintado e retratado como tal, de fato ao estilo do Kremlin e em tons de vermelho, como o foi assim com o líder da oposição Jeremy Corbyn pela BBC no mês passado

Não é tão interessante que as pessoas que investigam este ataque não apresentem nenhum detalhe sobre aquilo que publicitam e considerarem  ser  absolutamente inquestionável que o governo russo é  definitivamente a 100 por cento responsável pelo envenenamento?

Mesmo com duas histórias completamente contraditórias como as últimas disponibilizadas, a Rússia é definitivamente, definitivamente responsável. Uma destas duas últimas histórias  refere um cidadão  russo suspeito, a outra  refere uma operação “tão arriscada e sensível que é improvável que tenha sido realizada  sem a aprovação do Kremlin”. Não podem ser ambas verdadeiras; o agente neurotóxico  foi colocado no cereal ou na porta. Mas em ambos os casos somos levados a encarar a Rússia como sendo a autora deste ataque hediondo.

Isto é mesmo muito interessante. Talvez ainda mais interessante seja o facto de Skripal estar a viver  no Reino Unido desde há anos, e agora o império centralizado nos EUA começa a estar preocupado em  perder a sua posição dominante no cenário mundial por causa de um irrelevante antigo  agente duplo, que é atacado por um terrível agente neurotóxico com um  nome de sonoridade russa que não consegue matá-lo e a partir do que passa a implicar  o governo russo (e, como um bónus adicional, o agente neurotóxico  poderia ter sido feito em qualquer laboratório militar). Muito interessante a forma como estão agora os funcionários do Reino Unido  a trabalhar para unir  a Europa contra a Rússia apenas no momento em que é estrategicamente uma coisa essencial para o império ocidental fazê-lo.

Eu já disse isso antes e vou dizê-lo de novo: a verdade é a primeira baixa da guerra, especialmente da guerra fria. O império centralizado nos EUA tem uma extensa história na utilização da  mentira, da propaganda e das  falsas bandeiras para fabricar o apoio público para  as suas agendas, e todas essas coisas são componentes essenciais na guerra fria. Não há razão alguma para dar a essas pessoas o benefício da dúvida quando as coisas cheiram tão  mal.

Caitlin Johnstone, Everything Keeps Changing About The Skripal Narrative Except “Russia Definitely Did It”. Texto disponível em:

https://medium.com/@caityjohnstone/everything-keeps-changing-about-the-skripal-narrative-except-russia-definitely-did-it-80589c52b8df

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: