RECORDANDO LUÍS AMARO (1923-2018) – por MANUEL SIMÕES

 

Faleceu recentemente (24/8) em Lisboa, aos 95 anos, o investigador, bibliófilo e poeta Luís Amaro, memória sempre disponível da literatura portuguesa sobretudo dos finais do século XIX e da primeira metade do século XX. Foi poeta exigente consigo próprio se considerarmos que a sua poesia está contida no volume Diário Íntimo, 3.ª edição revista (2011), e cujas variantes atestam a insatisfação do autor, sempre à procura da impossível perfeição. Mas a sua qualidade foi sem dúvida reconhecida por grandes figuras críticas, como Jorge de Sena que o incluiu na 3.ª série das Líricas Portuguesas, ou como Alexandre O’Neill, António Ramos Rosa, Raul de Carvalho, entre outros.

Alentejano, de Aljustrel, trabalhou muitos anos na editora Portugália, onde privou de perto com muitos autores (Manuel da Fonseca, José Régio, etc.), foi secretário da redacção da revista Colóquio/Letras, depois director-adjunto, à qual ficou ainda ligado como conselheiro editorial.

Memória bibliográfica espantosa, não há praticamente investigador dos últimos cinquenta anos que não lhe deva informações preciosas ou até mesmo material de consulta que nenhum arquivo possuía.

Em jeito de homenagem aqui fica a última versão do  poema que a sua generosidade me dedicou e ao poeta António Salvado:

 

 

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: