EXPOSIÇÃO “DO TEJO AO TIBRE: MÚSICOS E ARTISTAS PORTUGUESES EM ROMA NO SÉCULO XVIII” NA BIBLIOTECA NACIONAL ATÉ 31 DE MAIO

 

O fascinante processo de assimilação e adaptação de modelos artísticos e musicais italianos pela corte de Lisboa ao longo do século XVIII é um dos fenómenos mais relevantes a nível cultural do Portugal setecentista, com repercussões que se estendem à maior parte do território. Através das obras conservadas na BNP, esta exposição, comissariada por Cristina Fernandes (INET-md, NOVA FCSH) e Pilar Diez del Corral (UNED – Universidad Nacional de Educación a Distancia, Madrid), pretende dar a conhecer ao grande público como se produziu essa frutífera associação criativa entre o país mais ocidental da Europa e a península itálica, coração do Mediterrâneo, colocando em evidência olhares transversais sobre a música e as artes visuais, dois campos frequentemente abordados de forma separada mas que percorreram caminhos comuns.


A partir do século XVI, Roma começou a atrair artistas de todos os campos, desejosos de aprender a partir do legado das suas ruínas e dos mestres modernos que a converteram no centro artístico da Europa. Ao mesmo tempo, viajantes procedentes num primeiro momento dos países do Norte também chegavam a Roma com o mesmo afã de aprendizagem, tanto no plano mundano como cultural, dando origem ao fenómeno do Gran Tour, que teria a sua eclosão nos séculos XVIII e XIX.

Portugal teve no século XVIII uma idade de ouro graças às fabulosas encomendas artísticas e musicais de D. João V, o Rei Magnânimo. Ainda que o terramoto de 1755 tenha eclipsado uma grande parte do legado arquitetónico e artístico da primeira metade do século, para além da catástrofe humana que causou, a magnificência e o cosmopolitismo de Lisboa deixaram marcas que prevaleceram como sinais identitários nas décadas seguintes. O conjunto das peças expostas pretende mostrar desde a perspetiva da viagem e do intercâmbio artístico e musical como as relações entre Portugal e Itália, centradas num fluxo contínuo de pessoas, livros, partituras e obras de arte criaram uma riquíssima via de comunicação entre Roma e Lisboa.

Estão igualmente programadas várias visitas guiadas, seguidas de momentos musicais. Na inauguração (28 de fevereiro, às 18h00), o agrupamento Cappella dei Signori, dirigido por Ricardo Bernardes, interpreta obras de Giovanni Giorgi e João Rodrigues Esteves. A 19 de março, realiza-se uma visita guiada às 18h00, seguida de um recital de cravo, por Fernando Miguel Jalôto, assinalando os 300 anos da chegada a Lisboa de Domenico Scarlatti. Em data a anunciar brevemente, apresenta-se uma nova visita e um programa centrado na música de Francisco António de Almeida, com interpretação dos Músicos do Tejo, dirigidos por Marcos Magalhães e Marta Araújo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: