LANÇAMENTO de “ADRIANO, UM CANTO EM FORMA DE ABRIL – 80 anos” , “PARA O ADRIANO”, por ADÃO CRUZ

(1942 – 1982)

 

 

 

 

ADRIANO, UM CANTO EM FORMA DE ABRIL

Foi apresentado ontem, 21 de Julho, no bonito espaço que é o Arquivo Municipal Sophia de Mello Breyner, em Gaia, o livro comemorativo dos oitenta anos que faria Adriano Correia de Oliveira, se a morte não tivesse entrado tão cedo na sua vida. É um livro muito bonito, com a concepção gráfica de Ana Biscaia e uma bela capa de Siza Vieira. Trata-se de um livro de evocação do Adriano, com produção do Centro Adriano e da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto e faz parte de um grande número de iniciativas da Comissão Promotora, com o apoio de quase trezentas e cinquenta personalidades. Entre textos em prosa e poesia, o livro tem a mão de oitenta autores. Ilustram-no também vinte e seis fotografias cedidas por diversas pessoas que não esquecem Adriano.

A sala estava repleta. Um dos membros da Comissão apresentou os elementos da mesa: o amigo Jorge Sarabando que fez a apresentação do livro, a Senhora Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Gaia, o amigo Arnaldo Trindade que toda a gente conhece, fundador do Orfeu e grande promotor e divulgador das maravilhosas vozes da ápoca, como Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, José Mário Branco e outros, e o Director da Torre do Tombo que nos disse, entre muitas coisas, que os ficheiros da Pide contêm cinco milhões de fichas referentes a cidadãos vigiados e perseguidos.

Finda a apresentação, intervieram, com curtos depoimentos, alguns amigos de Adriano. Não esperava eu que me solicitassem para ler um pequeno poema que tenho no livro e que abaixo transcrevo, o que muito me honrou. Já agora gostaria de dizer que minha irmã Eva também se encontra no livro com um belo texto em prosa. Ela foi contemporânea e vizinha de Adriano nos tempos de Coimbra, tendo sido presenteada, na altura, com uma serenata em que interveio a magnífica voz de Adriano.

Um grande admirador de Adriano pegou na guitarra e encheu a sala com algumas das mais belas canções de Adriano Correia de Oliveira. Não podia haver melhor forma de terminar a sessão.

adão cruz

Nota: Este poema foi construido com versos meus e alguns títulos de canções do Adriano (a negrito).

 

PARA O ADRIANO

 

Leave a Reply