Espuma dos dias — Elon Musk está a destruir os mitos de Silicon Valley mesmo em frente dos nossos olhos. Por Luke Savage

Seleção e tradução de Francisco Tavares

4 min de leitura

Elon Musk está a destruir os mitos de Silicon Valley mesmo em frente dos nossos olhos

 Por Luke Savage

Publicado por  em 27 de Novembro de 2022 (original aqui)

 

O mito do Silicon Valley Apregoa a determinação e o talento dos seus campeões tecnológicos. Mas o caos da tomada de controle do Twitter por Elon Musk revelou que não há nenhum génio ou jogo elaborado de xadrez multidimensional por detrás da cortina: apenas capitalistas da vida quotidiana.

 

Conta de Elon Musk no Twitter exibida num ecrã de telefone, com uma ilustração do Musk em segundo plano. Bruxelas, Bélgica, 19 de Novembro de 2022. (Jonathan Raa / NurPhoto via Getty Images)

 

A ideologia dirigida ao público do Silicon Valley é ao mesmo tempo potente e sedutora. Através da fusão da tecnologia e dos mercados sem restrições, ou pelo menos é o que conta a história, uma cultura de incessante agitação e radical tomada de riscos impulsiona a inovação sem fim. Tal inovação, por sua vez, traz consigo melhores produtos de consumo, novas comodidades quotidianas e, claro, novas oportunidades para criar riqueza. Na sua forma mais utópica, porém, a promessa final do Silicon Valley é mais revolucionária – oferecendo nada menos que uma espécie de transcendência secular que fará que a nossa espécie escape aos limites da sua existência planetária e, talvez, até aos limites dos nossos corpos mortais também.

Diz-se, tipicamente, que o principal ingrediente deste cocktail futurista é uma raça rara de indivíduos excepcionais que sobem ao topo através de uma combinação de génio excêntrico e de determinação pessoaal. A ascensão destes super-homens [übermenschen] contribui para a melhoria da humanidade, e a sua incomensurável riqueza representa uma recompensa proporcional ao valor social que eles criaram.

Numa era de política estagnada e de crescente ansiedade sobre o futuro, é uma história atractiva e até reconfortante. É também uma história que poucas figuras têm aproveitado com tanto sucesso como Elon Musk – que durante anos tem projectado uma imagem de génio prometeico que inúmeros milhões têm considerado singularmente convincente. Tendo em conta o comportamento atual de Musk, a sua constrangedora presença nos meios de comunicação social, as chamadas de revisão incessantes dos produtos da sua empresa (sendo o mais recente esta mesma semana com impacto em 322.000 viaturas), e a sua ladainha de declarações grandiosas que não têm dado em nada, podem ser por vezes difíceis de perceber. No entanto, o período de cerca de um mês que decorreu desde a sua aquisição do Twitter causou provavelmente mais danos à sua imagem – e aos mitos fraudulentos e interesseiros do Silicon Valley em que se inspira – do que qualquer uma destas coisas alguma vez poderia ter feito.

Segundo tudo aparenta, a estratégia empresarial do Musk para o Twitter tem sido até agora tão genérica e sem imaginação como se tem podido ver. Confrontado com o declínio das receitas de uma empresa que não tem tido lucros desde 2019, adoptou imediatamente uma estratégia de monetização e cortes em duas vertentes – aproximadamente o equivalente do primeiro ano da escola de negócios de “comprar barato, vender caro” no seu nível de sofisticação. Ao despedir cruelmente milhares de funcionários e cortar benefícios para aqueles que permanecem, enquanto procura cobrar aos utilizadores o privilégio da verificação, Musk evidentemente esperava poder criar um novo fluxo de receitas enquanto reduzia os custos operacionais.

Entre outras coisas, foi, merecidamente, um desastre de relações públicas. Mas o lançamento hilariante e caótico do renovado “Twitter Blue” quase conseguiu esconder o facto de que, em primeiro lugar, apenas um fragmento de utilizadores decidiu sequer aderir (um serviço de subscrição “Blue Verified”, que custa oito dólares por mês, está marcado para estrear a 29 de Novembro). No meio do caos, anunciantes importantes – nomeadamente Chipotle, General Mills e United Airlines – começaram a saltar de barco, um problema óbvio para uma empresa que gera 90 por cento das suas receitas com publicidade.

Num sentido estritamente quantitativo, não sabemos exactamente quão más se tornaram as coisas no Twitter – entre outras coisas, porque a empresa já não é obrigada a apresentar relatórios financeiros à Securities and Exchange Commission. Mas, como uma análise recente publicada pelo Wall Street Journal deixa claro, as coisas não estão certamente boas para a empresa ou para Musk pessoalmente. O seu próprio património líquido diminuiu em milhares de milhões e noutros locais o valor das acções da Tesla diminuiu quase para metade desde que Musk lançou pela primeira vez a ideia de comprar o Twitter em Abril.

E mesmo que estivéssemos na posse de métricas mais detalhadas, elas provavelmente ainda estariam pálidas em comparação com o espectáculo real da própria liderança de Musk. Até agora definido por tomadas de decisão impulsivas, mudanças abruptas na política, e uma definição transparentemente incoerente da liberdade de expressão, o estilo de gestão de Musk está ligado pelas embaraçosas tentativas de publicar no meio do caos.

A certa altura, mesmo os mais devotos bajuladores de Musk terão de perguntar qual é o plano mestre para além do comportamento público errático e da preguiça de arrastar os liberais. Eventualmente, alguns poderão mesmo chegar à mesma conclusão a que os cépticos chegaram há muito tempo: que não há um grande génio prometeico, nem um jogo elaborado de xadrez multidimensional, ou um rei filósofo dos tempos modernos escondido atrás das conversas sobre Marte, chamadas de revisão de produtos, e memes épicos de presunto. Tudo o que existe por detrás da cortina é um capitalista comum a fazer o tipo de coisas que os capitalistas sempre fizeram – neste caso, muito mal.

____________

O autor: Luke Savage é redator da equipa de Jacobin. Escreve também para The Atlantic, The Washington Post, The Guardina, New Statesman. O seu mais recente livro é The Dead Center: Reflections on Liberalism (2022). É licenciado em Ciência Política e Governação pela Universidade de Toronto, onde obteve também o mestrado em Teoria Política.

 

 

Leave a Reply