Espuma dos dias — Embaixador francês: A “ordem baseada em regras” dos EUA significa dominação ocidental e violação do direito internacional. Por Ben Norton

Seleção e tradução de Francisco Tavares

9 min de leitura

Embaixador francês: A “ordem baseada em regras” dos EUA significa dominação ocidental e violação do direito internacional

 Por Ben Norton

Publicado por  Multipolarista, em 21 de Novembro de 2022 (original aqui)

 

O Embaixador da França nos EUA Gérard Araud com o Presidente Barack Obama na Casa Branca em 2016

 

O ex-embaixador francês Gérard Araud criticou Washington por violar frequentemente o direito internacional e disse que a sua chamada “ordem baseada em regras” é uma “ordem ocidental” injusta baseada na “hegemonia”. Ele condenou a nova guerra fria na China, apelando, em vez disso, a compromissos mútuos.

 

 

O antigo embaixador da França nos Estados Unidos, Gérard Araud, criticou publicamente Washington, dizendo que este país viola frequentemente o direito internacional e que a sua chamada “ordem baseada em regras” é na realidade uma “ordem ocidental” injusta.

O alto diplomata francês advertiu que os Estados Unidos estão envolvidos numa “guerra económica” contra a China, e que a Europa está preocupada com a “política de contenção” de Washington, porque muitos países europeus não querem ser forçados a “escolher um campo” numa nova guerra fria.

 

Araud condenou os diplomatas americanos por insistirem que Washington deve ser sempre o “líder” do mundo, e salientou que o Ocidente deve trabalhar com outros países do Sul Global, “numa base de igualdade”, a fim de “encontrar um compromisso com os nossos próprios interesses”.

Alertou contra fazer exigências “maximalistas”, “de simplesmente tentar manter a hegemonia ocidental”.

Araud fez estas observações num painel de discussão de 14 de Novembro intitulado “Is America Ready for a Multipolar World?“, organizado pelo Quincy Institute for Responsible Statecraft, um grupo de reflexão em Washington, DC que defende uma política externa mais comedida e menos belicosa.

As credenciais de Gérard Araud dificilmente poderiam ser mais de elite. Um diplomata francês sénior reformado, serviu como embaixador do país nos Estados Unidos de 2014 a 2019. De 2009 a 2014, ele foi representante de Paris nas Nações Unidas.

Antes disso, Araud serviu como embaixador da França em Israel, e trabalhou anteriormente com a NATO.

Foi também nomeado como “distinto membro superior” no Atlantic Council, o notoriamente beligerante grupo de reflexão da NATO em Washington.

https://soundcloud.com/multipolarista/france-ambassador-us-rules-based-order?utm_source=multipolarista.com&utm_campaign=wtshare&utm_medium=widget&utm_content=https%253A%252F%252Fsoundcloud.com%252Fmultipolarista%252Ffrance-ambassador-us-rules-based-order

 

 

A ‘ordem baseada em regras’ é na realidade apenas uma ‘ordem ocidental’.

Num momento surpreendentemente contundente na discussão do painel, Gérard Araud explicou que a chamada “ordem baseada em regras” é na realidade apenas uma “ordem ocidental”, e que os Estados Unidos e a Europa dominam injustamente organizações internacionais como as Nações Unidas, o Banco Mundial, e o Fundo Monetário Internacional (FMI):

Para ser franco, sempre fui extremamente céptico sobre esta ideia de uma “ordem baseada em regras”.

Pessoalmente, por exemplo, veja, eu era o representante permanente nas Nações Unidas. Adoramos as Nações Unidas, mas os americanos não demasiado, sabem.

E na verdade, quando se olha para a hierarquia das Nações Unidas, todos lá são nossos. O Secretário-Geral [António Guterres] é português. Já foi sul-coreano [Ban Ki-moon]. Mas quando se olha para todos os secretários-gerais subalternos, todos eles são realmente ou americanos, franceses, britânicos, etc. Quando se olha para o Banco Mundial, quando se olha para o FMI, e assim por diante.

Portanto, este é o primeiro elemento: esta ordem é a nossa ordem.

E o segundo elemento é também que, na realidade, esta ordem reflecte o equilíbrio de poder em 1945. Olhemos para os membros permanentes do Conselho de Segurança.

Realmente as pessoas esquecem que, se a China e a Rússia são obrigadas a opor-se [com] o seu veto, é porque francamente o Conselho de Segurança é na maioria das vezes, 95% das vezes, tem uma maioria orientada para o Ocidente.

Portanto, esta ordem francamente – e também se pode ser sarcástico, porque, quando os americanos basicamente querem fazer o que querem, inclusive quando é contra o direito internacional, como eles o definem, fazem-no.

E esta é a visão que o resto do mundo tem desta ordem.

Sabe realmente, quando eu estava dentro [da ONU] – as Nações Unidas é um lugar fascinante, porque tem embaixadores de todos os países, e pode ter conversas com eles, e a visão que projectam do mundo, a sua visão do mundo, não é certamente uma “ordem baseada em regras”; é uma ordem ocidental.

E acusam-nos de duplicidade de critérios, hipocrisia, etc., etc.

Portanto, não tenho a certeza de que esta questão sobre as ‘regras’ seja realmente a questão crítica.

Penso que a primeira avaliação que devemos fazer será talvez, como dizemos em francês, colocarmo-nos no lugar do outro lado [nos sapatos do outro], tentar compreender como eles vêem o mundo.

Araud argumentou que se a comunidade internacional está seriamente empenhada em criar uma “ordem baseada em regras”, deve implicar “integrar todos os principais interessados na gestão do mundo, realmente trazer os chineses, os indianos, e realmente outros países, e tentar construir com eles, numa base de igualdade, o mundo de amanhã”.

“Esta é a única forma”, acrescentou ele. “Deveríamos realmente pedir aos indianos, pedir aos chineses, aos brasileiros, e a outros países, que realmente trabalhem connosco numa base de igualdade”. E isso é algo – não são só os americanos, mas também os ocidentais que realmente tentam sair do nosso elevado terreno moral, e compreender que eles têm os seus próprios interesses, que em algumas questões devemos trabalhar juntos, em outras questões não devemos trabalhar juntos”.

“Não tentemos reconstruir a Fortaleza Ocidental”, implorou ele. “Não deve ser o futuro da nossa política externa”.

 

O diplomata francês critica a nova guerra fria dos EUA contra a China

Gérard Araud revelou que, na Europa, existe “preocupação” de que os Estados Unidos tenham uma “política de contenção” contra a China.

“Penso que a relação internacional será largamente dominada pela rivalidade entre a China e os Estados Unidos. E a política externa, penso que nos próximos anos será encontrar o modus vivendi … entre as duas potências”, disse ele.

Avisou que Washington está empenhada na “guerra económica” contra Pequim, que os EUA estão a tentar “basicamente cortar qualquer relação com a China no campo dos chips avançados, o que está a enviar uma mensagem de, “Vamos tentar evitar que se torne uma economia avançada. É realmente, é uma guerra económica”.

“Realmente, do lado americano está a desenvolver-se uma guerra económica contra a China. Está a cortar, tornando impossível a cooperação num campo muito importante e crítico, para o futuro da economia chinesa”, acrescentou ele.

Araud salientou que a China não está apenas a “emergir”; está de facto a “reemergir” para uma posição geopolítica proeminente, tal como tinha há centenas de anos, antes da ascensão do colonialismo europeu.

Ele salientou que muitos países na Ásia não querem ser forçados a escolher um lado nesta nova guerra fria, e têm medo de se tornarem uma zona de conflitos por procuração, como a Europa esteve na primeira guerra fria:

A Ásia não quer ser a Europa da Guerra Fria. Eles não querem ter uma cortina de bambu. Eles não querem escolher o seu campo.

A Austrália escolheu o seu campo, mas é um caso particular. Mas Indonésia, Tailândia, Filipinas, eles não querem escolher o seu campo, e nós não devemos exigir que escolham o seu campo.

Portanto, precisamos de ter uma política flexível de falar com os chineses, porque falar é também uma forma de os tranquilizar, de tentar compreender os seus interesses, também de definir os nossos interesses não de uma forma maximalista, de simplesmente tentar manter a hegemonia ocidental.

 

Araud desafiou a ideia de que os Estados Unidos devem ser o “líder” unipolar do mundo, afirmando:

Os americanos entraram no mundo, de certa forma, sendo já o rapaz grande do quarteirão. Em 1945, representava 40% do PIB mundial.

O que também pode explicar o que é a diplomacia americana. A palavra dos diplomatas americanos, a palavra da diplomacia americana é “liderança”.

Realmente, é sempre impressionante para os estrangeiros, assim que há um debate sobre a política externa americana, imediatamente as pessoas dizem: ‘Temos de restaurar a nossa liderança’. Liderança. E outros países podem dizer: ‘Porquê liderança?’

 

O Ocidente deve “tentar ver o mundo a partir de Pequim”.

Gérard Araud criticou igualmente os meios de comunicação social ocidentais pela sua cobertura exageradamente negativa da China. O alto diplomata francês apelou aos responsáveis para “tentarem ver o mundo a partir de Pequim”:

Quando se olha para os jornais europeus ou ocidentais, tem-se a impressão de que a China é uma espécie de monstro negro que avança, nunca comete um erro, nunca enfrenta realmente qualquer problema, e vai em direção ao domínio do mundo – os chineses trabalham 20 horas por dia, não querem férias, não se importam, querem dominar o mundo.

Talvez que se tentarmos ver o mundo a partir de Pequim, na verdade consideraremos certamente que todas as fronteiras da China são mais ou menos instáveis, ou ameaçadas, ou que enfrentam países hostis, e isso do ponto de vista chinês.

Talvez eles queiram melhorar a sua situação. Isso não significa que tenhamos de aceitá-lo, mas talvez ver, para lembrar, que qualquer medida defensiva de um lado é sempre vista como ofensiva pelo outro lado.

Por isso, vamos compreender que a China tem os seus próprios interesses. Mesmo as ditaduras têm interesses legítimos. Por isso, vamos olhar para estes interesses, e vamos tentar encontrar um compromisso com os nossos próprios interesses.

 

Araud continuou e salientou que o governo dos EUA está constantemente a ameaçar militarmente a China, enviando navios de guerra através do planeta para as suas costas, mas nunca por um segundo toleraria que Pequim lhe fizesse o mesmo:

Quando estive em Washington, logo após o discurso [falcão anti-China] do Vice-Presidente Pence ao Hudson [Instituto] em Outubro de 2018, encontrei muitos especialistas sobre a China em Washington, DC, mas quando estava a tentar dizer-lhes, sabem, os vossos navios [americanos] estão a patrulhar a 200 milhas da costa chinesa, a 5000 milhas da costa americana, qual seria a vossa reacção se os navios chineses patrulhassem a 200 milhas da vossa costa?

E, obviamente, os meus interlocutores não perceberam o que eu quis dizer. E essa é a questão, sabe, de tentar realmente perceber quais são os interesses razoáveis do outro lado.

Araud salientou que a China “não é uma ameaça militar” para o Ocidente.

 

Diplomata francês: As sanções ocidentais contra a Rússia estão a fazer-nos “infligir dor a nós próprios”.

Com esta nova guerra fria entre os Estados Unidos e a China, Gérard Araud explicou, “neste contexto, a Rússia é um pouco como a Áustria-Hungria com a Alemanha antes da Primeira Guerra Mundial, está um pouco condenada a ser o ‘brilhante número dois’ da China”.

Embora Araud denunciasse duramente a invasão russa da Ucrânia em Fevereiro de 2022, também criticou as sanções ocidentais contra Moscovo, que advertiu, “do lado europeu, está a infligir a nós próprios alguma dor”.

Advertiu que a Europa está num “beco sem saída” com a Rússia, “porque enquanto a guerra na Ucrânia continuar, e a minha aposta infelizmente é que pode continuar por muito tempo, será impossível para os europeus, e os americanos num certo sentido, mas também para os europeus, acabarem com as sanções à Rússia, o que significa que a nossa relação com a Rússia pode ficar congelada por um futuro indefinido”.

“E penso que é muito difícil ter actividade diplomática [com a Rússia] nesta situação”, acrescentou ele.

 

Pode ver todo o painel de debate organizado pelo Quincy Institute no vídeo abaixo:

 


O autor: Ben Norton é jornalista e analista, centrando-se o seu trabalho em geopolítica e política externa. É fundador e editor de Multipolarista e está sediado na América Latina. Escreve regularmente em Al Mayadeen.

 

 

1 Comment

Leave a Reply