Posts Tagged: antonio gedeão

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

NESTE DIA, 15 de FEVEREIRO de 1564, nasceu GALILEO GALILEI – o poema de ANTÓNIO GEDEÃO

      Galileo Galilei nasceu no dia 15 de Fevereiro de 1564 na cidade de Pisa. E morreu no dia 8 de Janeiro de 1642 em Arcetri, na Toscânia. Entendemos homenagear a sua memória, substituindo a habitual resenha biográfica

NESTE DIA, 15 de FEVEREIRO de 1564, nasceu GALILEO GALILEI – o poema de ANTÓNIO GEDEÃO

      Galileo Galilei nasceu no dia 15 de Fevereiro de 1564 na cidade de Pisa. E morreu no dia 8 de Janeiro de 1642 em Arcetri, na Toscânia. Entendemos homenagear a sua memória, substituindo a habitual resenha biográfica

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Pedra Filosofal

“Pedra Filosofal” é uma canção de Manuel Freire baseada num poema de António Gedeão. Foi lançada no programa “Zip-Zip” em 1969, com grande sucesso. A sua interpretação valeu-lhe o prémio de Impressa desse ano. O disco “Pedra Filosofal” foi editado

“no silêncio da noite…” por Lídia Rocha – Pedra Filosofal

“Pedra Filosofal” é uma canção de Manuel Freire baseada num poema de António Gedeão. Foi lançada no programa “Zip-Zip” em 1969, com grande sucesso. A sua interpretação valeu-lhe o prémio de Impressa desse ano. O disco “Pedra Filosofal” foi editado

SINAIS DE FOGO – O PIO “PINGO DOCE” – por Soares Novais

À entrada das lojas “Pingo Doce” há um painel com as fotografias da gerência e da secretária. Regra geral são fotos de mulheres. Sorridentes. Trata-se de um “biombo” que esconde uma realidade cruel: baixos salários e desrespeito total pelos mais

SINAIS DE FOGO – O PIO “PINGO DOCE” – por Soares Novais

À entrada das lojas “Pingo Doce” há um painel com as fotografias da gerência e da secretária. Regra geral são fotos de mulheres. Sorridentes. Trata-se de um “biombo” que esconde uma realidade cruel: baixos salários e desrespeito total pelos mais

PORQUE CAMÕES É ETERNO – segundo PAULO ROBERTO NÓBREGA SERRA (no BOTSWANA) – DESCALÇA VAI PARA A FONTE, de LUÍS DE CAMÕES e POEMA DA AUTO-ESTRADA, de ANTÓNIO GEDEÃO

                                    Obrigado à Ana Guerreiro, que nos fez chegar a mensagem do Paulo Serra. Ele está no Botswana, e neste dia das Comunidades

PORQUE CAMÕES É ETERNO – segundo PAULO ROBERTO NÓBREGA SERRA (no BOTSWANA) – DESCALÇA VAI PARA A FONTE, de LUÍS DE CAMÕES e POEMA DA AUTO-ESTRADA, de ANTÓNIO GEDEÃO

                                    Obrigado à Ana Guerreiro, que nos fez chegar a mensagem do Paulo Serra. Ele está no Botswana, e neste dia das Comunidades

PRAÇA DA REVOLTA: O cantor da semana – MANUEL FREIRE /2

POEMA DA MALTA DAS NAUS Poema de António Gedeão Música de Manuel Freire  

PRAÇA DA REVOLTA: O cantor da semana – MANUEL FREIRE /2

POEMA DA MALTA DAS NAUS Poema de António Gedeão Música de Manuel Freire  

PRAÇA DA REVOLTA: O cantor da semana – MANUEL FREIRE /1

PEDRA FILOSOFAL Poema – António Gedeão Música – Manuel Alegre

PRAÇA DA REVOLTA: O cantor da semana – MANUEL FREIRE /1

PEDRA FILOSOFAL Poema – António Gedeão Música – Manuel Alegre

DIA DE LISBOA – Adeus Lisboa, de António Gedeão

  Adeus, Lisboa Vou-me até à Outra Banda no barquinho da carreira. Faz que anda mas não anda; parece de brincadeira. Planta-se o homem no leme. Tudo ginga, range e treme. Bufa o vapor na caldeira. Um menino solta um

DIA DE LISBOA – Adeus Lisboa, de António Gedeão

  Adeus, Lisboa Vou-me até à Outra Banda no barquinho da carreira. Faz que anda mas não anda; parece de brincadeira. Planta-se o homem no leme. Tudo ginga, range e treme. Bufa o vapor na caldeira. Um menino solta um

Cidade – luz, sombra e palavras – 9 – Paris – fotografias por Fábio Roque

  Se para algumas cidades é difícil encontrar referências literárias, relativamente a Paris a dificuldade consiste em escolher entre as muitas palavras que escritores, dos mais humildes aos mais famosos, escreveram sobre a luminosa capital de França. Pensámos  em A Moveable

Cidade – luz, sombra e palavras – 9 – Paris – fotografias por Fábio Roque

  Se para algumas cidades é difícil encontrar referências literárias, relativamente a Paris a dificuldade consiste em escolher entre as muitas palavras que escritores, dos mais humildes aos mais famosos, escreveram sobre a luminosa capital de França. Pensámos  em A Moveable