Nasceram em 10 de Setembro

1740Nicolau Tolentino de Almeida, poeta português (m. 1811)

 

 

Soneto

 

Chaves na mão, melena desgrenhada,

Batendo o pé na casa, a mãe ordena

Que o furtado colchão, fofo e de pena,

A filha o ponha ali ou a criada.

 

A filha, moça esbelta e aperaltada,

Lhe diz coa doce voz que o ar serena:

– «Sumiu-se-lhe um colchão? É forte pena;

Olhe não fique a casa arruinada…

 

– «Tu respondes assim? Tu zombas disto?

Tu cuidas que, por ter pai embarcado,

Já a mãe não tem mãos?» E, dizendo isto,

 

 

Arremete-lhe à cara e ao penteado.

Eis senão quando (caso nunca visto!)

Sai-lhe o colchão de dentro do toucado!…

 

 

 

1930 Ferreira Gullar, poeta e escritor brasileiro.

 

 

POEMA

Se morro
universo se apaga como se apagam
as coisas deste quarto
se apago a lâmpada:
os sapatos – da – ásia, as camisas
e guerras na cadeira, o paletó –
dos – andes,
bilhões de quatrilhões de seres
e de sóis
morrem comigo.

Ou não:
o sol voltará a marcar
este mesmo ponto do assoalho
onde esteve meu pé;
deste quarto
ouvirás o barulho dos ônibus na rua;
uma nova cidade
surgirá de dentro desta
como a árvore da árvore.

Só que ninguém poderá ler  no esgarçar
destas nuvens
a mesma história que eu leio, comovido.

 

1945Jose Feliciano, cantor e compositor porto-riquenho.

 

 

.

Leave a Reply