Diário de Bordo, 4 de Outubro de 2011


 

 

Há várias semanas que, nos EUA, apareceu um movimento cívico que se auto-intitula Ocupem a Wall Street, que se tem manifestadoem Nova Iorque e parece que noutros locais. No domingo passado a polícia deteve várias centenas de manifestantes, por terem invadido uma zona interdita da ponte de Brooklyn. Foram libertados a seguir (afinal, parece que não tinham causado grandes problemas) e muitos regressaram imediatamente ao local da manifestação.

 

Os objectivos do movimento serão protestar contra a estrutura financeira, de que a Wall Street é um símbolo, as grandes diferenças de rendimento que tanto se têm agravado e os problemas sociais cada vez mais visíveis. A Fox News, cadeia de televisão de tendência reconhecidamente conservadora, e apoiante do Partido Republicano, classificou-o como anticapitalista. Outros sectores referem que nas manifestações têm participado elementos de outros sectores, alguns que até terão sido identificados como perto do Tea Party. Entretanto, alguns sindicatos e figuras públicas expressaram apoio ao movimento.

 

Na Europa e noutras partes do mundo têm aparecido organizações que navegarão nas mesmas águas que os organizadores do Ocupem a Wall Street. Entre nós, julgo que organizações como os Precários Inflexíveis, os FERVE, têm objectivos similares. O movimento norte-americano parece estar a adquirir uma amplitude muito maior.

 

Curiosamente, até ao fim de semana passado, as referências na comunicação social ao Ocupem a Wall Street eram bastante reduzidas. As sondagens nos jornais apontam no sentido de a grande maioria dos inquiridos rejeitar os objectivos deste movimento. Contudo, há que assinalar que este merecido muito menos divulgação do que outras manifestações, noutras partes do mundo.  

 

É legítimo, sem dúvida, pôr a interrogação de se não se deve prestar mais atenção a um movimento que procura pôr a claro e exigir soluções para problemas que tanta perturbação têm causado, e que estão a prejudicar a maior parte das pessoas, em muitos países de diferentes partes do mundo. 

Leave a Reply