A Ilha Que Todos Somos – Augusta Clara

 

 

 Augusta Clara  A Ilha Que Todos Somos

 

 

(Adão Cruz)

 

 

Não sei fazer crítica literária nem quero saber. Fico até indiferente quando leio que um livro é o melhor do século tal ou de determinado ano. Sorrio sempre que acontece haver mais do que um assim classificado em simultâneo. Regra geral não se trata de ex-aequo, trata-se de interesse comercial. Mas “A Ilha de Arturo”, de Elsa Morante, é, de certeza, um dos mais poderosos romances que já li caracterizando o tumulto das emoções humanas. Neste caso, particularmente, sobre a evolução da passagem entre a infância e a adolescência de um rapazinho de vida selvagem.


A crisálida a sair do casulo, a dor de romper os fios tão bem tecidos que nos protegem nas primeiras fases da vida, a curiosidade de afastar a cortina de espuma que nos defendia os sonhos e a imaginação. O que essa travessia tem de complexo na alma humana irrompe em algumas das mais belas páginas deste livro.

Depois, a transmutação desse mundo primeiro e maravilhoso, arrastando ainda, colados ao corpo, os restos da seda protectora da infância, no tormentoso caos do mundo adulto onde os artifícios passam a ser o casulo. Tão bem descrita é esta passagem rápida de um mundo ao outro, quase sem transição, como se não houvesse tempo para isso, como se fosse demasiado perigoso deixar vazios.

Julgo eu, que não pertenço ao mundo dos psis, ser aí que residem as dores da adolescência. E Elsa Morante traduziu-as com uma mestria sem par. Por fim, já, também, nós nos reconhecemos ali naquele menino que se transmuta em adulto, com as nossas falsidades, os nossos disfarces, o nosso medo do amor, aquilo a que a nossa traidora oralidade nos confina e tudo o mais que iludiu a dimensão de pessoa que estávamos fadados para ser.

Já ali reconhecemos a ilha em que todos nos tornamos.

 

 

9 Comments

  1. Gostei muito da tua ilha em que todos nos tornamos e as dores do crescimento ainda tão presentes nos meus filhos.Tentarei não perder esta ilha de Arturo. Bela combinação, texto, música e Adão. Bjo Grande, Grande Augusta

  2. Augusta que continuas sendo Clara A publicação deste livro escapou-me, eu que leio muitos autores de Espanha, mas amanhã vou encomendá-lo (fica um pouco mais barato e estamos em crise!). [Error: Irreparable invalid markup (‘<br […] <a>’) in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]Augusta que continuas sendo Clara <BR><BR>A publicação deste livro escapou-me, eu que leio muitos autores de Espanha, mas amanhã vou encomendá-lo (fica um pouco mais barato e estamos em crise!). <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Bjs</A> <BR>António <BR>

  3. Augusta que continuas sendo Clara A publicação deste livro escapou-me, eu que leio muitos autores de Espanha, mas amanhã vou encomendá-lo (fica um pouco mais barato e estamos em crise!). Bjs.António

Leave a Reply