UM CAFÉ NA INTERNET – Dois poemas por Fernanda de Castro

(1900 – 1994) 

Um café na Internet

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se Tudo quanto Existe… 

 

Se tudo quanto existe
é lenta evolução,
longa transformação
sem Deus e sem mistério;
se tudo no Universo tem sentido
sem o sopro divino;
se o segredo da vida, a criação,
se explica pela ciência,
e a corrente vital
é também consequência;
se a humana consciência
é simples equação…
— que significa a vocação do eterno,
que quer dizer a aspiração do Céu
e o terror do inferno?

E se acaso é o instinto a lei da vida,
se a verdade
é só necessidade
inexorável, lenta, laboriosa,

que sábia explicação
tem esta frágil, esta inútil rosa?

In “Asa no Espaço” (1955). Obrigado a http://www.citador.pt.

 

 

Eu! 

 

O homem de génio diz: eu sou.
O poderoso afirma: eu posso.
O rico diz: eu tenho.
E o ambicioso: eu quero.
Eu! Eu! Eu!
E afinal
esses que vivem sós,
completamente sós,
quanto dariam para como tu,
ou como eu,
dizerem simplesmente: nós

In «39 Poemas», 1942. Obrigado a laçosdepoesia.blogspot.com.


Leave a Reply