VAI UM COPO DE TRÊS por clara castilho

Um amigo quis-nos levar a uma taberna recentemente renovada, imposição de novas regras e leis. Mantinha o chão e as divisórias da frente originais mas nos fundos tinham sido aproveitados outros espaços, tendo em vista fazer casas de banho e futuras salas de jantar, quando as economias o permitissem. As pipas de vinho lá continuavam mas num enquadramento perfeitamente branco, não deixando revelar o muito líquido que por ali tinha passado. Algumas das mesas onde nos sentámos ainda tinham os tampos em mármore. Nas paredes as decorações eram com objectos antigos, alguns com alguma piada.

Tive a sorte de não assistir a muitas pielas na minha infância. De certo que as havia, mas fui resguardada delas.  Mas lembro-me das primeiras do meu irmã e primos. A primeira piela de alguns jovens foi numa estação de caminho de ferro, que só devia ver aí dois ou três comboios por dia. E na taberna aí existente se experimentaram  os primeiros golos de álcool, longe da família e de rédeas habituais. Como o bagaço é de sabor forte, provavam o “eduardinho”, xaroposo e açucarado… Muitos iam em braços para casa mas, no dia seguinte, tinham o sentimento de terem passado por uma espécie de iniciação, de já serem muito “homens”!

Mas, pensar em tabernas, é pensar nos homens, tristes e sós, que as frequentavam e no que elas representaram no passado na nossa vivência colectiva. Lugar de convívio, do afogar as mágoas pessoais e sociais. Lugar de cumplicidades, de coesão social, de ostracismo para com o estranho que ali penetrava. É lembrar descrições preciosas da literatura portuguesa e cenas de filmes que tão bem ilustraram esse ambiente. É lembrar as mulheres que se atreviam a lá entrar, humilhando seus maridos, tentando chamá-los à razão e levando-os para o lar. É lembrar as mulheres que foram sovadas quando muitos desses homens chegavam a casa já entornados e nelas descarregavam tudo o que de mal lhes corria na vida.

O que corresponde hoje à taberna?

1 Comment

  1. Olá! Eu estava a escrever algo sobre as tabernas do antigamente e de repente veio-me à cabeça o célebre copo de três. Pedi ao google e deparo-me com o vosso blog que gostei imenso. Já me registei para começar a receber as actualizações. No entanto não vi o que precisava que é o porquê de se chamar “copo de três”. Hoje será um shot penso eu, sendo que os copos são diferentes. Hoje não há nada que se pareça à taberna. São outros tempos, outras mentalidades mas ou eu me engano ou vai voltar ao de antes porque o vintage até está na moda. O artigo que me fez chegar até aqui é http://fugas.publico.pt/restaurantesebares/340429_vinharia.
    Um abraço
    Maria Isabel Quental

Leave a Reply