O MAR DOS SARGAÇOS, por João Machado

Mar dos Sargaços - I

O Mar dos Sargaços é um mar sem costas, situado no ocidente do Oceano Atlântico, no hemisfério norte. Estende-se por mais de três milhões de quilómetros quadrados,  entre 25º e 32º de latitude norte e 35º e 70º de longitude oeste, e é rodeado por quatro grandes correntes oceânicas, a oeste pela Corrente do Golfo, a norte pela Corrente do Atlântico Norte, a leste pela Corrente das Canárias e a sul pela Corrente Equatorial do Atlântico Norte. Como se pode ver pelo mapa acima, a ocidente chega relativamente perto das Grandes Antilhas e da Florida, atingindo as Bermudas, de onde resulta a confusão frequente entre o Mar dos Sargaços e o Triângulo das Bermudas, sobre o qual se contam muitas histórias, algumas delas inverosímeis.

As quatro correntes formam como que um grande redemoinho, que separa as águas do Mar dos Sargaços das do resto do Oceano Atlântico, protegendo-as das borrascas e fixando ali grande quantidade de algas douradas. Em certas alturas parece formar-se ali uma pradaria, o que inclusive surpreendeu os antigos navegadores, desde os fenícios e cartagineses que terão chegado à América, passando por Cristóvão Colombo, que foi quem fez a primeira descrição da alga sargassum. As águas do mar dos Sargaços têm uma temperatura bastante superior às do oceano, são muito mais tranquilas e salgadas, as condições atmosféricas mais calmas, chegando a haver mesmo grandes calmarias, que aterrorizavam os navegadores antigos, dependentes do vento para prosseguirem o seu caminho. Formam-se grandes ilhotas flutuantes e a vida animal é intensa.

Mar dos Sargaços - II

  Mar dos Sargaços - III - Dalvaamaral - floating-sargassum_sm

Obrigado a http://dalvaamaral.blogspot.pt/2010/12/misterioso-mar-de-sargacos.html e a putadevida.weblog.com.pt

Uma das espécies mais notáveis que vive parte da sua vida no Mar dos Sargaços é a enguia, que ali desova, seguindo as larvas para os rios dos continentes europeu e americano, onde vão atingir o estado de adultas. Sobre este assunto vejam um trabalho de António Moitinho Rodrigues, da Escola Superior Agrária, do Instituto Politécnico de Castelo Branco, no endereço

Click to access enguia.pdf

Angulla anguilla Linnaeus 1758
Angulla anguilla Linnaeus 1758

Os estudos feitos até à data indicam que no Mar dos Sargaços, embora as águas sejam pobres em nutrientes, as algas sargaço permitem a subsistência de numerosas espécies, algumas delas em risco de extinção noutras partes dos oceanos. Várias espécies de tartarugas, camarões, caranguejos, peixes vivem ali em permanência. Espécies migratórias de baleias, atum, aves atravessam o mar sem costa e conseguem alimentar-se na sua viagem. Um problema grave é a acumulação de detritos que está a agravar-se, devido ao ao efeito de redemoinho formado pelas correntes circundantes e à incúria humana. Para defender este ecossistema único o Governo das Bermudas formou para o defender a Sargasso Sea Alliance, que inclui vários organismos e que se pode contactar em:

http://www.sargassoalliance.org/

2 Comments

  1. Excelente trabalho do Sargasso Sea Aliance, gostaria de ajudar se possível. Sou empresário no Brazil e frequento as águas do Caribe…

Leave a Reply