Pentacórdio para Segunda 7 de Janeiro

por Rui Oliveira

 

 

   A Segunda-feira 7 de Janeiro continua parca em iniciativas culturais novas. De entre as existentes destacaríamos as seguintes :

 

 

encontros-imagine280a1rios-7-de-janeiro-2013   Como é usual todas as quinzenas, Helder Costa proporciona no Bar de A Barraca, às 21h30, mais um Encontro Imaginário, o 41º, desta vez entre Henri Désiré Landru (1869-1922), Romy Schneider (Rosemarie Magdalena Albach, 1938-1982) e Mustafa Kemal Atatürk (1881-1938).

2163931_170a5998-fdf7-11e1-8e65-001517810e22   O primeiro, Landru, foi  um célebre serial killer francês após a guerra de 1914-18. Da sua biografia parece retirar-se a suspeita de ele ter escolhido as suas vítimas de entre viúvas de militares que teriam morrido durante aquela catástrofe bélica.

Romy_Schneider_550x728   A segunda, Romy Schneider, actriz muito bela prematuramente falecida, heroína de múltiplos realizadores de Visconti a Orson Welles, de Otto Preminger a Joseph Losey, de Henri Clouzot a Claude Sautet, de Jacques Deray a Jules Dassin, que aqui apresenta a vida de “Sissi”, a imperatriz austríaca que protagonizou e a tornou conhecida – forma de se conhecerem os problemas políticos e geo-estratégicos do Império Austro-Húngaro e o rastilho que levou ao desencadeamento da Grande Guerra.

250px-MustafaKemalAtaturk   A terceira personagem da mesma época de Landru, Kemal Atatürk, foi de fundamental importância em toda a evolução da Asia  Menor e considerado na Turquia o Pai da Pátria. Oficial do Exército e estadista revolucionário, chefiou o Movimento Nacional Turco na guerra de Independência Turca, derrotando as tropas inglesas e francesas. Como primeiro presidente da Turquia, transformou as ruínas do Império Otomano numa nação-estado democrática e secular, combatendo  impiedosamente qualquer fundamentalismo islâmico.

 

 

 

ADIEU_GARY_affiche   No campo dos ciclos de cinema, o Instituto Francês de Portugal (Av. Luís Bívar nº 91, Lisboa) apresenta de 7 de Janeiro a 25 de Fevereiro o ciclo de cinema “Grande Crise, Pequenos Remédios”, uma selecção de 7 filmes que dão a conhecer os diferentes aspectos da crise económica, social e cultural em curso. O preço baixo (1 €) é já por si um bom reflexo desta  iniciativa.

   Nesta Segunda 7 de Janeiro, às 19h, o filme seleccionado é “Adieu Gary” (França, 2008), uma comédia dramática de Nassim Amaouche, com Jean-Pierre Bacri, Dominique Reymond e Yasmine Belmadi nos principais papéis.

   Este “Grande Prémio da Semana da Crítica” do Festival de Cannes de 2008 possui como sinopse : “No meio do nada, uma cidade operária esvaziada da sua população desde há alguns anos. No entanto, algumas pessoas decidiram ficar, mais por opção do que por necessidade, porque ali nasceram e cresceram. Entre eles Francisco, trabalhador consciencioso, que continua a utilizar a máquina com que trabalhou toda a sua vida, Samir, o seu filho, que regressa ao bairro depois de uma longa ausência, mas também Maria, a vizinha que vive sozinha com o seu filho José, que acredita que o seu pai é Gary Cooper… “.

   Este é o seu filme-anúncio :

 

 

 

Cartaz DINHEIRO2_cartaz paleta   Também a Casa da Achada – Centro Mário Dionísio organiza até Junho, em regra semanalmente, um Ciclo de Cinema “Dinheiro para que te querem” com o seguinte preâmbulo de que extraímos partes :

   “ Abre-se um jornal – quando ainda se faz esse gesto antigo – e parece que o centro do mundo é o dinheiro. A falta de dinheiro, o pouco dinheiro, o muito dinheiro, o demasiado dinheiro, o dinheiro guardado – a poupança até tem direito a dia mundial -, o dinheiro usado, o dinheiro roubado, o dinheiro emprestado, oferecido ou por oferecer, ou bem ou mal distribuído, e por aí fora … Muitos – pobres e ricos – vivem para ter dinheiro, para o dividir ou multiplicar – e, os mesmos ou outros, para o gastar. Não se pode viver sem dinheiro. Pelo menos nesta nossa sociedade.

   O dinheiro é mesmo o centro do mundo. E, porque parece sê-lo cada vez mais, e sempre de outras maneiras, organizámos este ciclo de filmes, maior que os anteriores. E não veremos tudo o que valeria a pena ver … Era impossível a 7.ª arte (a literatura, o teatro, antes dela…) não se ocupar do dinheiro. O dinheiro está no centro do mundo e no centro de muitas tragédias e de muitas comédias. Este ciclo vai, assim, percorrer quase um século de cinema : (desde) “Aves de rapina” de Erich von Stroheim … de 1924, (a) “Capitalismo – uma história de amor “ de Michael Moore e “Erro do banco a vosso favor” de Gérard Bitton e Michel Munz (não passou nos cinemas em Portugal) … de 2009.L'Argent Do mudo ao sonoro, do preto e branco à cor. São 24 filmes de 24 realizadores, produzidos em países vários: EUA, França, Itália, Alemanha, Espanha, Portugal … Filmes que, ao longo de seis meses, nos farão rir e chorar”.

RobertBresson - Copy   O desta Segunda-feira  7 de Janeiro, às 21h30, é “O dinheiro” (França, 1983) de Robert Bresson, a partir do conto “A Nota Falsa” de Tolstoi, com Christian Patey, Sylvie Van den Elsen e Michel Briguet nos principais papéis, aqui apresentado por Gabriel Bonito.

   Sinopse : Quando o pai de Norbert se recusa a emprestar-lhe 500 euros, o rapaz, com a ajuda do seu amigo Martial, decide fazer uso de uma nota falsa, pondo em marcha, por ganância, mas sem consciência das consequências dos seus actos, uma sequência de acontecimentos cujo desenlace será trágico. E é assim que Yvon, um homem inocente, se vai ver envolvido numa espiral que o conduzirá a uma queda vertiginosa, esvaziando-lhe a alma e destruindo-lhe os escrúpulos.

   Eis aqui as últimas imagens da película :

 

 

 

 

Poster-LMPMH-MNAmummy_project   Na vertente da divulgação científica, aberta ao público e de acesso livre, realiza-se na Segunda-feira 7 de Janeiro na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no seu Anfiteatro III e promovido pelo seu Centro de História, com início às 18h, o Seminário Interdisciplinar «Lisbon Mummy Project – As múmias egípcias do Museu Nacional de Arqueologia».

   Iniciando-se com a palestra “A Preparação para o Além” por Luís Manuel de Araújo (egiptólogo, FLUL/CH), segue-se às 18h45 “Lisbon Mummy Project : O Brilho da Paleoradiologia” por Carlos Prates (médico radiologista, IMI) para concluir com “A Mumificação Humana e Animal no Lisbon Mummy Project” por Álvaro Figueiredo (bioarqueólogo, UniversityCollege, Londres).

 

 

 

   Por último, duas informações atrasadas relativas ao fim-de-semana que hoje (Sábado) começa.

 

   Primeiro, soubémos que se reiniciam no Sábado 5 de Janeiro os passeios pela capital organizados pela associação “Lisboa Autêntica” que poderão ser uma boa alternativa àquela referida escassez de eventos organizados.

lisboa-autentica   Ocorrendo durante os fins-de-semana, tem temas diversos incluindo-se o deste Sábado na série “Lisboa Gastronómica”, a qual pretende promover o conhecimento da cidade de Lisboa através dos sabores e da história dos seus restaurantes, cafés, casas de pasto, tasquinhas, mercearias … O ponto de encontro é a Praça de Luís de Camões (Bairro Alto) às 11h. Exige marcação prévia, dura cerca de 4 horas e tem um custo (20 €) que inclui degustações e almoço.

   O de Domingo 6 de Janeiro pertence ao tema “Lisboa Operária: Pátios e Vilas” – “Aldeias entre muros”. Sabendo-se que na passagem do século XIX para o século XX afluíram à cidade de Lisboa milhares de trabalhadores rurais à procura de um modo de ganhar a vida, pessoas  essas que formaram uma nova classe social –  os operários – e criaram uma nova Lisboa, é a ela que esta visita guiada é dedicada. Onde residiam? Como viviam? Onde trabalhavam?

Ponto de encontro: Miradouro da Graça junto à Igreja da Graça às 15h (sem marcação prévia, basta aparecer!).

   Para mais informações : http://lisboaautentica.com/quem-somos

 

 

Cartaz 2013 01 05   Segunda Adenda : Tendo conhecimento que o concerto de Sábado 5 de Janeiro no Centro Cultural de Belém para assinalar os 40 anos do jornal Expresso se encontra esgotado, sugerimos aos admiradores da orquestra Divino Sospiro, residente no CCB, e em geral aos amadores de música barroca, a alternativa de se deslocarem à Igreja da Senhora da Boa-Nova, no Estoril, onde poderão ouvir, às 21h30 e com entrada livre, a orquestra Divino Sospiro  e o coro Voces Caelestes sob a direcção do maestro Massimo Mazzeo, acompanhados por Sandra Medeiros soprano, Carolina Figueiredo meio-sopranoFilippo Mineccia contratenor  interpretar um programa onde constam  de :

        Johann Sebastian Bach (1685-1750) Jauchzet Gott in allen Landen, BWV 51

        Dietrich Buxtehude (1637-1707) Der Herr ist mit mir

        Johann Adolph Hasse (1699-1783) Alma Redemptoris Mater

        Antonio Vivaldi (1678-1741) Credo, RV 591 e Magnificat, RV 611

 

   Destes dois agrupamentos, um orquestral, outro vocal, deixamo-vos dois breves registos :

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sábado aqui )

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply