Pentacórdio para Sábado 16 de Fevereiro

por Rui Oliveira

 

 

 

   Neste Sábado 16 de Fevereiro é justo dar relevância à participação do Institut Français de Portugal no “Festival Debussy” em curso desde o passado dia 14 em colaboração com a Fundação Gulbenkian, além de outras instituições (como temos largamente noticiado).

 

Karen-Vourch-Photo-C-HugVanessa_Wagner_gd   Assim, no Auditório do IFP, às 19h, há um Recital de piano e voz intitulado “Debussy perspective(s)” considerado um recital inédito em que a pianista Vanessa Wagner (foto dir.) e a soprano Karen Vourc’h (foto esq.) irão propor ao público lisboeta um programa especial com “Estampes” de Claude Debussy (de que Vanessa Wagner tem um CD de 2005), “3  Études” de Pascal Dusapin, “Chansons de Bilitis” de Claude Debussy, excertos em antestreia de “Harawi, Chant d’Amour et de Mort” de Messiaen que ambas apresentarão em Paris ainda esta época.

   Poderá ouvir aqui Karen Vourc’h numa das “Chansons de Bilitis” do programa :

     

 

 

pascal contet   À noite realiza-se um Cine-Concerto, às 21h deste Sábado 16 de Fevereiro, no mesmo Auditório, em que Pascal Contet (foto), acordeonista mundialmente aplaudido pela sua singularidade e virtuosismo, acompanhará a projecção da obra-prima, hipnotizante e fantástica, do realizador polaco-francês  Jean Epstein (1928), “La Chute de la maison Usher”, curiosamente baseada numa adaptação que Luis Buñuel fez da obra de Poe – presumivelmente reproduzindo os temas musicais que Debussy escreveu entre 1907 e 1917 para uma ópera inacabada com este nome e esta inspiração.

   Precedendo o filme, haverá a leitura pelo actor Micha Lescot de extractos de “The Fall of the House of Usher” de Edgar Allan Poe numa tradução de Charles Baudelaire.

   Os interessados podem aceder aqui à película integral na versão original :

 

 

 

debussy exposição   Nessa tarde de Sábado 16, às 18h, será inaugurada, ainda no Institut Français a exposição “Debussy +”, cedida pelo «Centre de Documentation Claude Debussy (Paris)», compreendendo 70 documentos que são outros tantos testemunhos da vida pessoal e artística do compositor : fotografias, manuscritos, partituras, publicações, catálogos, etc..

   A entrada é livre até dia 3 de Março.

 

 

rigoletto 0 

rigoletto 2 duque de mantua - Copy   Também no Sábado 16 de Fevereiro há mais um “Met Opera Live in HD” no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian com a transmissão em directo da Metropolitan Opera de Nova Iorque, às 18h, da ópera em 3 actos “Rigoletto” do compositor italiano Guiseppe Verdi, com libreto de Francesco Maria Piave baseado na peça “Le Roi S’Amuse” de Victor Hugo apoiada na New York Metropolitan Opera Orchestra.

rigoletto 4   Sob a direcção do maestro Michele Mariotti, esta produção nova com encenação de Michael Mayer  tem a sua acção “deslocalizada” para Las Vegas de acordo com objectivo (ao que consta) de “dotar a sua história de intemporalidade e, simultaneamente, de contemporaneidade.

   O elenco participante compreende a soprano Diana Damrau (como Gilda)(foto dir.), o barítono Željko Lučić (como Rigoletto), o tenor Piotr Beczala (como duque de Mântua)(foto esq.), a meio-soprano Oksana Volkova (Maddalena) e o baixo Štefan Kocán (Sparafucile) nos papéis principais.

   Pode “ouv(e)r-se” aqui  um dueto do 1º Acto entre Gilda e Rigoletto :

 

   Bem como outra ária do mesmo acto “Questa o quella” pelo Duque de Mântua (Piotr Beczala):

   É este o novo e exuberante cenário (se o Verdi o visse …) : 

          rigoletto 3  rigoletto

 

 

 

16fevereiro_tnsc__joaopaulosantos_alfredorocha_640x396   As “Comemorações dos 20 anos da Orquestra Sinfónica Portuguesa” tem mais uma iniciativa musical neste Sábado 16 de Fevereiro de 2013, às 16h, na Sala Principal do Teatro Nacional de São Carlos, com a actuação de Agrupamentos de Câmara da Orquestra Sinfónica Portuguesa com os pianos de Nuno Margarido Lopes e João Paulo Santos a quem cabe a direcção musical.

   No programa, cujo pormenor é desconhecido, estão obras de Mozart, de Debussy e de Piazzolla e de Saint-Säens.

   A entrada é gratuita.

 

 

 

533254_279743655437728_1188829571_n - Copy   A Semana Cantoras Brasileiras integrada na celebração do «Ano Brasil-Portugal» continua  no Espaço Brasil (LX Factory – Rua Rodrigues de Faria, 103 – Armazém L) nesta Sábado 16 de Fevereiro, às 22h30 com um espectáculo da cantora Luciana Mello.

  Filha de Jair Rodrigues, começou a cantar (e a gravar) aos seis anos ao lado do pai. Luciana faz parte de uma cena musical paulista que conta com a participação do seu irmão Jair de Oliveira e do cantor Max de Castro (filho de Wilson Simonal).

   Tem seis discos lançados, o mais recente dos quais chama-se “6º Solo”. É dele o tema “Tchau” que lhe mostramos abaixo.    

 

   Quem quiser ouvi-la num registo recentíssimo colhido em 3 de Fevereiro último no “Bom Retiro” (São Paulo) cantando “Se for para mentir e se quiser falar com Deus” com Pedro Cunha (teclado), Eric Budney (contrabaixo), Daniel de Paula (bateria) e Webster Santos  (violão) procure aqui : http://youtu.be/VJlP-36EoHI

 

 

 

   Por último, assinale-se a “nostálgica” ida neste Sábado 16 de Fevereiro ao Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, às 21h, para um concerto que denominaram “Afectivamente”  dos GNR  actualmente compostos por Rui Reininho voz, António César Machado piano e guitarra acústica, Jorge Romão baixo acústico, Ianina Khmelik violino, Rui Lacerda bateria / percussões e Hugo Novo teclados.

   Segundo o programa, agora «com mais de trinta anos de carreira, os GNR avançam agora com um novo conceito, e decidem desligar a maior parte das tomadas : o baixo eléctrico cede lugar ao baixo acústico, a guitarra eléctrica passa as cordas ao violino e os teclados rendem-se ao piano. O próprio Rui Reininho será mais acústico, entenda-se, menos eléctrico».

   Divulgam simultaneamente este vídeo “Efectivamente” :

 

 

 

 

211190_295358643920872_79226909_nwallerstein   Como derradeira NOTÍCIA EM ATRASO só agora (e pelo nosso blogue) tomámos conhecimento duma conferência previsivelmente interessante que terá lugar hoje (Quinta-feira 14) no Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, às 18h30, proferida por Immanuel Wallerstein, professor universitário (Yale) com o título “Crise e reconfigurações no âmbito do sistema-mundo”.

   Sociólogo de formação, proponente de uma ciência social pós-disciplinar, fundador da teoria dos sistemas-mundo (“The Modern World System”), teórico controverso tanto dentro como fora dos marxismos, comentador regular da actualidade geopolítica e figura cimeira do movimento altermundialista, vem a Lisboa a convite do CIDAC (http://www.cidac.pt/) falar sobre a crise global e sobre os possíveis cenários geo-políticos para os próximos anos.

   Pode aceder-se à emissão da conferência em directo através de http://live.fccn.pt/fcg/

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Quinta aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply