Pentacórdio para Segunda-feira 18 de Fevereiro

por Rui Oliveira

 

 

  

   A Segunda-feira 18 de Fevereiro confirma o “hábito” de os inícios de semana não serem férteis em acontecimentos como se a semana demorasse a “arrancar” …

encontros44 

   Daí que só no bar de A Barraca vamos encontrar, como evento algo criativo, um novo Encontro Imaginário, a série de que Helder Costa é autor e moderador, onde se pretende suscitar «o confronto de ideias através de personagens marcantes da História da Humanidade». As personalidades, neste 44º Encontro, são exclusivamente portuguesas.

Dona Luisa de Gusmao   Teremos D. Luísa de Gusmão (1613-1666), nobre andaluza (Huelva) mulher de D. João IV, 1ª rainha da 4ª dinastia, a qual ficou célebre pelo apoio decisivo dado à conspiração de 1640 que devolveu a independência a Portugal. O conde da Ericeira atribuiu à duquesa Dona Luísa o propósito de que seria “mais acertado (de) morrer reinando do que acabar servindo”, a partir do qual  se criaram sonoras frases ao gosto popular, como a de que ela teria afirmado, «melhor ser Rainha por um dia, do que duquesa toda a vida».

2495156149_d72a8204c2   Já no século XIX encontramos a figura do bandido ao serviço de linhas políticas inimigas. João Brandão (1825-1880), com seus irmãos António e Roque, o próprio pai, primos e acólitos, constituiu um dos bandos políticos que, armados de bacamartes, clavinas e clavinetes, trabucos e punhais, dominaram  as Beiras a ferro e fogo. Foram “voluntários da Rainha” (Dona Maria II) que partiram de Midões para combater na guerra civil e depois se mantiveram, encostados ora ao Partido Progressista, ora ao Partido Regenerador, ora ao Partido Histórico. O seu chefe, sempre objecto de estranha protecção oficial, acabou por ser degredado para Angola onde continuou a gozar por algum tempo de privilégios especiais (vide Companhia Agrícola Cassequel).

santo-antonio-de-padua-4-310x500   Recuando no tempo, encontramos Santo António  de Lisboa (1195-1231), de seu primeiro nome Fernando, também conhecido como Santo António de Pádua, um Doutor da Igreja que viveu entre os séculos XII e XIII. Tornou-se franciscano em 1220 e viajou muito, vivendo inicialmente em Portugal, depois em Itália e em França. Santo António de Lisboa é também tido como um dos intelectuais mais notáveis de Portugal do período pré-universitário. Possuidor de grande cultura, documentada pela colectânea de sermões escritos que deixou (e daí o livro ser um dos seus símbolos), transformou-se no imaginário popular num santo muito popular (a distribuição de pão, outro símbolo, aos pobres terá contribuído para tal) a quem se atribuem inúmeros milagres.

   Como actores teremos como Dª. Luísa de Gusmão – Carolina Parreira, João Brandão – Adérito Lopes e Santo António – Sérgio Moras.

 

 

 

debussy   Entretanto o “Festival Debussy +”, organizado como temos divulgado pelo Institut Français e o departamento Gulbenkian Música, prossegue na homenagem ao centenário de Claude Debussy com iniciativas para-musicais.

   Os entusiastas daquele compositor francês poderão assim, nesta Segunda-feira 18 de Fevereiro, deslocar-se ao anfiteatro do Institut français du Portugal, às 19h, onde assistirão à conferência “Debussy e a modernidade” com intervenções de Jean-Louis Gavatorta (Administrador geral da Orquestra des Champs Elysées e durante 7 anos responsável pelo departamento de Música Clássica e Contemporânea do Institut français), Marc-André Dalbavie (compositor em residência da temporada 12/13 da FCG), Philippe Clarac e/ou Olivier Deloeuil (encenadores do espectáculo “Le Martyre de Saint Sébastien” a apresentar dia 21 e 22 de Fevereiro na Fundação Gulbenkian).

   A entrada é livre, limitada à lotação da sala.

 

1968Pasolini-set-Teorema-1968   Quem permanecer naquelas instalações do Institut Français poderá, às 21h, visionar “Teorema”, filme de Pier Paolo Pasolini  (Itália, 1969, Drama) com Silvana Mangano, Laura Betti, Terence Tramp e Massimo Girotti nos papéis principais.

   Sinopse: Um homem, jovem e de estranha beleza, introduz-se numa família burguesa que sucumbe ao seu encanto. A sua partida inesperada abala os membros da família.

   Este filme foi a fonte de inspiração para a encenação de Jean-Philippe Clarac e Olivier Deloeuil de “Le Martyre de Saint Sébastien”, que será apresentado no encerramento do Festival Debussy+, nos dias 21 e 22 de Fevereiro, na Fundação Calouste Gulbenkian.

   A entrada é igualmente livre, limitada à lotação da sala.

   Eis um seu excerto, podendo a película integral ser observada em  http://youtu.be/Jmhcc39OHL4 .

 

 

 

 

   Lembramos também, como outra conferência/debate do dia, aquela que tem lugar no Grande Auditório da Culturgest, às 18h30 desta Segunda-feira 18 de Fevereiro, pelo Arquitecto-Paisagista João Gomes da Silva e que constitui o terceiro plano dum ciclo de quatro conferências intitulado “Lisboa: a espessura do Tempo” (que já aqui noticiámos).

lisboa a espessura do tempo   Esta sessão abordará o tema “Da Paisagem como Construção Cultural”, integrada num ciclo que pretende pôr “… em perspectiva a ideia de que a construção da Cidade de Lisboa enquanto uma forma de Paisagem, é um fenómeno que se pode compreender a partir do conhecimento da sua Natureza, da transformação dessa Natureza em Paisagem, da construção da sua Paisagem enquanto fenómeno Cultural e do potencial de desenvolvimento que contém no seu próprio Corpo e Identidade. A aproximação à complexidade desta forma de Paisagem que se constitui como Cidade é feita de forma não-linear, porque o que resulta do conhecimento a partir de diferentes perspetivas (a Natureza, a Construção, a Cultura e a sua Revelação) não pode jamais ser entendido de forma fragmentada, mas através da sua articulação…”.

   O ciclo pode ser seguido através do site http://www.culturgest.pt/actual/01/13-joaogomesdasilva.html , onde se encontram arquivadas as conferências já havidas.

   Para aguçar o apetite, eis o registo da palestra de abertura :

 

 

 

 

   Por último, no campo intelectual, chamamos a atenção para os debates do PEN Club Português que têm lugar, desde há tempo, na Biblioteca do Goethe-Institut (Campo dos Mártires da Pátria, nº 37) aqui intitulados “Ideias Mortais” e que nesta Segundagoethe institute translation grant program-feira 18 de Fevereiro  ocorrem às 19h sobre “Pensar e Criar em tempos de desafio/difíceis/árduos …”.goethemesa1

   Teremos André Teodósio (actor e encenador de teatro, colaborador da Companhia O Cão Solteiro) à conversa com André Barata (Doutor em Filosofia Contemporânea pela Universidade de Lisboa) e Maria João Cantinho (escritora, crítica e ensaista, professora no IADE).

   Na ordem do dia estarão o pessimismo e a angústia. André Teodósio é o convidado do Goethe Institut para debater formas e modos de intervenção possíveis, na nossa cultura actual. Como pensar, como agir e intervir socialmente neste contexto é o desafio proposto neste debate, como modo de ensaiar o salto do pensamento.

 

  

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sábado aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply