MAELSTROM, por João Machado

Maelstrom é uma palavra escandinava que designa um grande remoinho de água, provocado pela maré e por correntes e contra-correntes marinhas. Existem vários de tamanho significativo, em diferentes pontos do mundo. Representam uma ameaça para a navegação, por vezes exagerada pela imaginação de alguns marinheiros e escritores. Desde tempos imemoriais que a sua existência é mencionada, como o que existe no norte do Estreito de Messina, entre as falésias da Calabria  e a ponta mais oriental da Sicília, pelo qual Homero, na Odisseia, faz passar Ulisses. Designava-o como Cila e Caribdis, que dizia tratarem-se de dois monstros marinhos que atacavam os marinheiros. O nome actual de Caribdis é Garofalo. À sua altura o estreito tem menos de dois quilómetros de largura, o fundo do mar cai bruscamente, e os ventos e correntes têm direcções opostas.

Garofalo - messina
Estreito de Messina – http://webecoist.momtastic.com/2009/07/24/10-magnificent-maelstroms-and-destructive-whirlpools/

Existem maelstroms na Escócia (Corryvreckan), Japão (Naruto) e noutros lados do mundo. Mas os maiores e mais famosos ficam na Noruega, o Moskstraumen e o Saltstraumen, junto às ilhas Lofoten e à cidade de Bodo. Também já são conhecidos desde há séculos, como o mostra a Carta Marina, do bispo sueco Olaf Magno, do século XVI.

800px-Maelstrom,_Carta_Marina

O primeiro, já referido nos poemas Edda, da mitologia nórdica, é provocado pelas correntes marítimas entre o golfo Vestfjorden e o Oceano Atlântico, que, combinadas com as marés, provocam grande agitação e atingem trinta quilómetros por hora. A ele dedicou Edgar Allan Poe Uma Descida ao Maelstrom (1841), e Júlio Verne, grande admirador do escritor norte-americano, fez ali naufragar o Nautilus, em Vinte Mil Léguas Submarinas. O Saltstraumen é ainda mais forte que o primeiro, e forma-se no estreito canal entre Skjerstadfjord e Saltenfjord, chegando as correntes a atingirem uma velocidade perto dos quarenta quilómetros por hora.

M-staum
Ihéu de Mosken
Saltstraumen
Saltstraumen

Obrigado a WebEcoist (ten magnificent maelstroms), Wikimedia Commons,

Leave a Reply