EDITORIAL – Liberdade para destruir a Liberdade

Imagem2O Artigo 46.º  da Constituição da República Portuguesa, que define o conceito de “Liberdade de associação”, diz no seu ponto 1 que « Os cidadãos têm o direito de, livremente e sem dependência de qualquer autorização, constituir associações, desde que estas não se destinem a promover a violência e os respectivos fins não sejam contrários à lei penal» e, no ponto 4, que «.  Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares, nem organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista».

Pelos vistos, a Constituição grega não dispõe de tal mecanismo e o partido de extrema-direita grego Aurora Dourada propõe que volte a ser introduzida a pena de morte na Grécia para os imigrantes condenados por crimes violentos. A pena de morte foi abolida na Grécia em 1993, mas a última execução teve lugar em 1972. Existindo sob diversas formas e designações, este antro de criminosos foi subsistindo, fazendo congressos e aproveitando a democracia para se introduzir na sociedade grega e explorar os seus aspectos mais negativos, como a xenofobia e o racismo.  Nas eleições municipais de Novembro de 2010, a Aurora Dourada obteve 5,3% dos votos em Atenas ocupando um lugar no Conselho da Cidade, órgão legislativo municipal. Em alguns bairros com grande presença de imigrantes o partido chegou a obter 20% dos votos. Ao entrar na câmara municipal após ser eleito em Atenas, Nikolaos Michaloliakos fez a saudação romana.

A Aurora Dourada opõe-se à presença de imigrantes. O partido defende a deportação de todos os imigrantes e o seu encerramento com o uso de minas anti-pessoal. Em 2012, o ideólogo e candidato da “Aurora Dourada” Giorgios Germenis disse que “obviamente, todos os imigrantes ilegais devem partir. Se todos os imigrantes ilegais – que são mais de três milhões – se fossem embora, libertariam três milhões de postos de trabalho para os gregos”. Esqueceu-se de referir o  que faria a Grécia se os milhões de emigrantes gregos fossem obrigados a regressar. Num comunicado divulgado, este sábado, o partido neonazi, que conta com 18 lugares no Parlamento, argumenta que «os imigrantes assassinos» transformaram o país numa «selva» e que o Estado é incapaz de os controlar. e pede que as forças de segurança sejam equipadas com armas de maior calibre, defendendo, no mesmo comunicado, que as armas militares são essenciais para combater os «bandos armados de imigrantes criminosos».

Como é possível que uma ideologia que provocou milhões de mortos, e representa tudo o que de mais abjecto existe na natureza humana, ande à solta num estado europeu?

1 Comment

  1. At parece que os gregos so amigos de trabalhar eh eh eh h convivi com gregos na frica do Sul .Vi in loco como se geriam ….Os gregos julgaram sempre que o man do turismo seria inesgotvel .S que os ricos e a classe mdia empaturrou-se em carpe diem .Pudera ,os moleques dos emigrantes que fussassem ….certo o ditado “no h bem que dure nem mal que se ature ” -a bomba estoirou nas mos .Faz lembrar a histria da r que queria ser boi ….A crise no deixa nenhum pas de fora deste infernal e satanico capitalismo Vai ser preciso “pescar homens para quem a poltica ,apenas,um meio de servir o Pas e no servir-se de cargos para se tirar dividendos ,esmagando as classes mais desvarecidas roubando-lhes a sua cidadania e a essncia de ser humano . Maria S

Leave a Reply